Logo Observador
Atentados de Paris

Governo francês propõe prolongamento do estado de emergência até julho

O estado de emergência em França, em vigor desde os atentados em Paris de novembro de 2015, deverá ser prolongado até 15 de julho, anunciou o primeiro-ministro, Bernard Cazeneuve.

IAN LANGSDON/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Governo francês quer alargar por mais sete meses o estado de emergência no país, decretado na sequência dos ataques de novembro de 2015 em Paris. O anúncio foi feito pelo recém-empossado primeiro-ministro, Bernard Cazeneuve.

A proposta ainda terá de ser votada no parlamento e, segundo Cazeneuve, deve-se à persistência da ameaça terrorista num momento em que o país está prestes a realizar eleições presidenciais e legislativas, em abril e junho, respetivamente.

O chefe de Governo francês falava aos jornalistas à saída de um conselho de ministros extraordinário, indicando que os sete meses adicionais de estado de emergência (que terminaria em meados de janeiro e que deverá, a ser aprovada a nova extensão, vigorar até 15 de julho) vão garantir o tempo suficiente para que os novos eleitos examinem a situação de segurança.

O texto, que dá corpo a algo que o presidente, François Hollande, já havia mencionado no mês passado, será analisado pela Assembleia Nacional na próxima terça-feira e pelo Senado dois dias depois.

De acordo com o Le Monde, o estado de emergência já foi prolongado quatro vezes e está longe de ser unânime em França, embora seja esperado que a proposta venha mais uma vez a ser aprovada.

Cazeneuve declarou que o prolongamento do estado de emergência “é indispensável para assegurar o maior nível de proteção aos cidadãos”, apesar de não ser algo permanente.

De acordo com o novo primeiro-ministro, que assumiu a pasta na sequência da saída de Manuel Valls, este ano foram gorados 17 atentados e detidas 420 pessoas ligadas a redes extremistas islâmicas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Presidenciais em França

A Revolução Francesa

Paulo Trigo Pereira

Quer gostemos ou não do personagem, após o processo presidencial Emmanuel Macron e o seu movimento “En marche” a política, em França, e na Europa, não voltará a ser o que era.