Logo Observador
Pesca

Ministros das Pescas da UE reúnem-se 2.ª e 3.ª feira para decidir limites das capturas

Os ministros das Pescas da União Europeia (UE) reúnem-se na segunda e terça-feira para decidir os totais admissíveis de capturas e respetivas quotas nacionais para 2017, negociações que tradicionalmente se arrastam pela madrugada.

EDUARDO COSTA/LUSA

Os ministros das Pescas da União Europeia (UE) reúnem-se na segunda e terça-feira para decidir os totais admissíveis de capturas (TAC) e respetivas quotas nacionais para 2017, negociações que tradicionalmente se arrastam pela madrugada.

As conversações sobre os TAC iniciam-se na segunda-feira, paralelamente ao debate de temas de agricultura, com as pescas a dominar a agenda de terça-feira e os Estados-membros a tudo fazerem para aumentar os limites para as suas pescarias.

No caso de Portugal, são particularmente contestados os cortes propostos no final de outubro para a pescada (-35,9%) e para os areeiros (-25,7%) por serem espécies de grande valor comercial.

Mais recentemente, a Comissão Europeia aumentou em 5% os TAC de pescada, para compensar os pescadores pela obrigação de desembarcarem todo o peixe capturado.

No caso do biqueirão, Bruxelas propõe uma manutenção da quota, apelando Lisboa a um aumento sustentado pela abundância desta espécie em águas nacionais.

No caso das raias, Portugal defende uma subida superior aos 5% propostos, argumentado que os pareceres científicos sustentam até mais 15% de capturas.

As propostas serão decididas no Conselho de Ministros das Pescas, negociações tradicionalmente duras e longas, e entram em vigor a partir de 01 de janeiro de 2017.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

Mais liberalismo ou menos socialismo?

Vítor Cunha

Para galvanizar a juventude para o liberalismo não basta o "argumento da superioridade moral do individualismo": é necessário remover o incentivo para que depender do salário de Estado seja atraente.

25 de Abril

Os restos do salazarismo que vivem entre nós

João Marques de Almeida
237

Quando nos aproximamos de mais um 25 de Abril há heranças preocupantes do Estado Novo que vivem entre nós. Mas ao contrário do discurso do regime, são as esquerdas que mais beneficiam dessas heranças.

Polémica

PHDA e metilfenidato: mitos e realidade

SPDA

Sociedade Portuguesa de Défice de Atenção 
responde a vice-presidente da Ordem dos Psicólogos sobre hiperatividade, défice de atenção e consumo de metilfenidato em Portugal.