Forças Armadas

Comandos. Comandante das Forças Terrestres acusado por médico de ignorar conselho para suspender curso

191

O Comandante das Forças Terrestres decidiu não suspender o 127º curso de Comandos depois de o médico que acompanhava a instrução defender que a atividade parasse. Hugo Abreu tinha morrido horas antes.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Comandante das Forças Terrestres, tenente-general Faria Menezes, não tomou a decisão de suspender o 127º curso de Comandos, mesmo depois de o capitão João Aniceto, o médico que acompanhava os militares — e que substituiu o capitão-médico Miguel Domingues — ter alegado a inexistência de condições para que os militares continuassem a formação. “Estavam em tolerância zero”, relatou João Aniceto ao Ministério Público.

Eram umas quatro da manhã. O óbito de Hugo Abreu tinha sido declarado há cerca de seis horas, vítima de um golpe de calor no primeiro dia de exercícios do curso. Ainda no Campo de Tiro de Alcochete (CTA), Faria Menezes reuniu um grupo de oficiais dos Comandos e perguntou a cada um dos presentes se o curso — que tinha começado há pouco mais 24 horas — devia ser suspenso. Do grupo faziam parte, além do tenente-general, o coronel Dores Moreira (comandante do Regimento de Comandos), o tenente-coronel Maia (diretor do curso e um dos militares que haveria de ser constituído arguido), o capitão Monteiro (comandante da companhia da formação), entre outros. Não há registo das posições expressas pelos vários militares.

João Aniceto, médico do curso, também lá estava. Foi para ele que o diretor do curso ligou quando Hugo Abreu entrou na situação mais crítica, na noite de 4 de setembro. Estava previsto que Aniceto substituísse o colega Miguel Domingues (também constituído arguido no processo instaurado pelo Ministério Público) depois de o clínico ter abandonado o CTA, por volta das 20 horas do dia 4 de setembro (menos de meia hora antes de Hugo Abreu entrar em paragem cardio-respiratória). Questionado pelo general, o capitão Aniceto garantiu ao MP que defendeu a suspensão imediata da instrução:

O depoente afirmou que não existiam condições clínicas para prosseguirem as provas, face às condições climatéricas adversas” que se fariam sentir na segunda-feira, lê-se no depoimento que consta do processo e que o Observador consultou.

Dos 67 recrutas que tinham começado a formação, 20 continuavam a receber tratamento médico. Dylan Araújo da Silva já tinha sido transferido para o Hospital do Barreiro em estado crítico. Tendo em conta o processo, o general Faria Menezes não deu ordens imediatas para suspender a instrução, apesar do parecer do médico. E o curso continuou.

Na manhã seguinte (tinham passado não mais de quatro horas desde a reunião dos superiores), os militares que continuavam de pé e estavam de volta aos exercícios. Sete distritos do país estavam em alerta laranja devido à ameaça de temperaturas elevadas. Setúbal estava em alerta amarelo.

Perante o cenário de um novo dia abrasador, o capitão João Aniceto não quis correr riscos e, ainda durante o pequeno-almoço, dirigiu-se aos instrutores do curso. “Disse-lhes que estavam em ‘tolerância zero’, ou seja, para além das recomendações expressas da obrigatoriedade de hidratar os instruendos, o que se faz em todos os cursos, disse-lhes que, caso algum dos instruendos manifestasse algum sintoma ou alteração do estado clínico, deveria ser de imediato encaminhado para a enfermaria“, refere o registo do Departamento de Investigação e Ação Penal, onde a investigação às duas mortes corre (Dylan também morreria, menos de uma semana depois).

Aquilo que o médico previa acabou mesmo por acontecer. Debilitados pelos exercícios do dia anterior e confrontados com temperaturas que começavam a subir, vários recrutas começaram a tombar durante os exercícios. “Um dos instruendos sentiu-se mal e foi encaminhado à enfermaria”. E a contagem não ficaria por aí.

Por volta das 11 horas, de mochila às costas, os mais de 40 homens começaram uma marcha. Durante esse exercício, que pode prolongar-se por várias horas mas cuja duração não está documentada, “foram vários os instruendos que compareceram na enfermaria, revelando sinais de exaustão“. Com o passar das horas, cinco recrutas tiveram de ser transferidos para o Hospital das Forças Armadas devido ao quadro clínico que apresentavam.

Todos estes doentes apresentavam sinais de exaustão e rabdiomiólise — destruição dos tecidos musculares –, sendo que a desidratação, associada à destruição dos tecidos, conduz à libertação de mioglobina, provocando insuficiência renal”, refere o relatório feito na sequência do depoimento do médico.

Os termos clínicos são coincidentes com o quadro observado nos dois recrutas que acabaram por morrer.

De acordo com o testemunho que João Aniceto prestou ao Ministério Público, já na tarde de 4 de setembro os responsáveis do curso tinham sido avisados para a falta de condições. A instrução devia parar de imediato e, de facto, entre as 16 horas desse domingo e a manhã de dia 5 não houve atividades.

Mas só no dia 8 de setembro o Exército envia um comunicado às redações dando conta da suspensão do curso.

O comunicado referia que “sua Excelência o General Chefe do Estado-Maior do Exército, General Frederico José Rovisco Duarte, no âmbito das suas competências, determinou, em articulação com Sua Excelência o ministro da Defesa Nacional (…), a execução de uma avaliação clínica aos formandos do 127º curso de Comandos (a decorrer), a realizar pelo Centro de Saúde Militar de Coimbra durante a qual haverá uma suspensão temporária do 127º curso”.

Questionado sobre as razões que terão levado o tenente-general Faria Menezes a deixar prosseguir a instrução, o Exército começa por sublinhar que a posição adotada “tem sido a de colaboração total e imediata com as autoridades competentes“. No caso concreto, os aspetos em causa “fazem parte do processo que decorre e, por essa razão, o Exército não comenta”. Ainda assim, o porta-voz, tenente-coronel Vicente Pereira, destaca que “o Exército manteve desde o inicio um constante dialogo com a comunicação social com o intuito de esclarecer os processos e os métodos utilizados para apuramento dos factos“.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site