Holocausto

Anne Frank e a família foram mesmo traídas?

127

Durante anos, os historiadores acreditaram que as secretas alemãs receberam uma pista sobre o esconderijo de Anne Frank e da família, em Amesterdão. Agora, uma investigação sugere outra hipótese.

O esconderijo onde viviam Anne Frank e outras sete pessoas pode ter sido descoberto de forma fortuita.

Anne Frank tornou-se um dos rostos mais reconhecidos das vítimas do regime nazi. Durante cerca de dois anos, a adolescente e a família de origem judaica viveram escondidos num exíguo apartamento na cidade holandesa de Amesterdão, sabendo que qualquer passo em falso seria fatal. O esforço seria em vão: a 4 de agosto de 1944, as autoridades descobriram o esconderijo e prenderam todos os residentes. Dos oito detidos, sete acabariam por morrer em campos de concentração, incluindo Anne. Durante anos, Otto Frank, o pai da adolescente e o único sobrevivente do grupo, tentou descobrir quem teria traído a família, denunciando o local onde se encontrava. Agora, um grupo de investigadores parece sugerir outra teoria: afinal, os agentes podem ter descoberto o local por pura coincidência.

A investigação é da autoria do próprio Museu Anne Frank e mereceu o destaque do The Washington Post. Ainda que não afastem categoricamente a hipótese de a família ter sido traída por algum informador ao serviço do regime, como tem sido defendido com maior insistência, os investigadores acreditam que as autoridades nazis encontraram a família de Anne Frank de forma completamente fortuita.

Na verdade, quando entraram no número 263 da Prinsengracht, as secretas alemãs podiam estar a investigar um caso de trabalho ilegal ou de fraude envolvendo cupões de racionamento. “Nas atividades diárias, os investigadores [da divisão de Haia] frequentemente encontravam esconderijos de judeus por acaso”, pode ler-se no estudo.

Anne Frank morreu no campo de concentração alemão Bergen-Belsen aos 15 anos. O diário que escreveu antes da prisão e deportação, onde retrata o terror que viveu durante aqueles anos, tornou-se um dos relatos mais marcantes sobre esse período.

O pai de Anne, Otto Frank, sugeriu sempre que a família tinha sido traída, apontando alguns possíveis responsáveis e influenciado durante décadas as investigações dos historiadores. O estudo agora divulgado vem acrescentar uma nova perspetiva histórica.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

Quem esconde carrascos estalinistas e o seu chefe?

José Milhazes
251

Um tribunal de Moscovo recusou novo pedido da família de Raoul Wallengerg, diplomata sueco que salvou do Holocausto dezenas de milhares de judeus, de acesso à documentação sobre o seu destino na URSS.

Auschwitz

Recordando Simone Veil (e tudo o que lhe devo)

Maria João Avillez
215

Memórias de um jantar e de uma entrevista a Simone Veil, do seu olhar azul claro como um rio, da sua serenidade que quase camuflava a mulher forte, a espantosa inteligência, a coragem como assinatura.

Holocausto

Pio XII, o Papa dos judeus

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
407

Durante a perseguição nazi contra os judeus, o Padre Joaquim Carreira, então reitor do Pontifício Colégio Português, em Roma, tudo fez para os defender, seguindo o exemplo do Papa Pio XII.

Orçamento do Estado

Um Orçamento à esquerda

Joana Vicente

A redução pretendida do número de funcionários públicos não tem acontecido. Não é de estranhar que possa haver uma derrapagem das despesas com pessoal em 2018 superior à de 2017.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site