Consumo

Cada euro a mais de consumo privado em 2013 teria aumentado PIB em 74 cêntimos

Um aumento de um euro no consumo privado teria provocado um crescimento de 74 cêntimos no Produto Interno Bruto em 2013, mas também teria inflacionado as importações.

Na formação bruta de capital fixo, uma subida de um euro conduz a um aumento de 67 cêntimos no PIB e de 33 cêntimos nas importações

OLIVER BERG/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Um aumento de um euro no consumo privado teria provocado um crescimento de 74 cêntimos no PIB em 2013 mas também teria inflacionado as importações, ainda que em menor dimensão, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

O INE publicou esta quinta-feira destaque em que recorre ao modelo Leontief para simular os efeitos de choques na procura final sobre a economia nacional, utilizando dados de 2013.

Esta abordagem permite, por exemplo, “avaliar em que medida a variação de uma unidade monetária numa dada componente da procura final (o choque) se manifesta na variação dos ‘inputs’ intermédios e primários (o efeito)”.

Por outras palavras, este modelo permite quantificar o impacto que um euro adicional numa determinada componente do Produto Interno Bruto (PIB) teria sobre a riqueza total da economia, “tendo em conta as inter-relações internas dos vários ramos da economia”.

A instituição estatística concluiu que, em 2013, o consumo privado é a componente do PIB cujo aumento teria provocado uma maior subida na riqueza nacional, seguindo-se o investimento e as exportações.

Por exemplo, por cada euro adicional na despesa de consumo final das famílias (consumo privado), o PIB aumenta 74 cêntimos, ao passo que as importações aumentam 26 cêntimos.

Na formação bruta de capital fixo, uma subida de um euro conduz a um aumento de 67 cêntimos no PIB e de 33 cêntimos nas importações, enquanto um euro adicional nas exportações gera um aumento do PIB de 55 cêntimos e um “maior impacto nas importações”, com uma subida de 45 cêntimos.

No entanto, INE salvaguarda que “estes efeitos seriam naturalmente diferentes se, em lugar do crescimento uniforme das componentes de cada agregado da procura final, se assumissem variações diversas”.

O INE dá mesmo um exemplo e conclui que se o aumento adicional de um euro nas exportações ocorresse exclusivamente nos serviços de alojamento e restauração, o PIB e as importações aumentariam, respetivamente, em 86 e 14 cêntimos.

Mas, se este mesmo aumento se verificasse apenas nas exportações de produtos refinados do petróleo, o acréscimo no PIB seria apenas de 6 cêntimos e nas importações o aumento seria de 94 cêntimos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site