Logo Observador
Linguística

E a Palavra do Ano é… “Geringonça”

A palavra usada para designar a coligação parlamentar que apoia o atual Governo é a Palavra do Ano de 2016, anunciou esta quarta-feira a Porto Editora, responsável pela iniciativa.

Apesar de já existir há muito tempo, "geringonça" ganhou no último ano um novo significado

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Geringonça, a expressão usada para designar a coligação parlamentar que apoia o atual Governo, é a Palavra do Ano de 2016. O vocábulo foi escolhido por 25 mil portugueses que, a partir de 1 de dezembro de 2016, puderam votar numa das dez concorrentes escolhidas pela Porto Editora, que organiza a iniciativa desde 2009.

A palavra, que ganhou um novo significado depois de ser usada por Vasco Pulido Valente e Paulo Portas para designar a coligação de esquerda, bateu outros candidatos como campeão, que ficou em segundo lugar com 29% dos votos, e Brexit, o terceiro colocado com 8% das votações, refere o Público.

Na corrida ao lugar de Palavra do Ano de 2016 estavam também empoderamento, humanista, microcefalia, parentalidade, presidente, turismo e racismo.

A seleção das dez palavras finais começou em maio de 2016 e foi feita a partir de sugestões feitas pelos votantes, num processo que passa principalmente pelo estudo da frequência e distribuição do uso das palavras, da monitorização da comunicação social e das redes sociais e dos acessos e consultas aos dicionários digitais da Porto Editora. A votação arrancou online, no site da Palavra do Ano, no dia 1 de dezembro.

Em 2015, participaram na iniciativa mais de 20 mil pessoas. A palavra vencedora foi refugiado, cuja utilização aumentou exponencialmente devido à “fuga massiva de pessoas” de países da Síria e outros países do Médio Oriente. “Em busca de um futuro melhor na Europa, arriscam a vida em processos migratórios perigosos, que muitas vezes têm um final trágico”, referiu na altura a Porto Editora.

Pela primeira vez desde a sua criação, a iniciativa foi aberta a Angola e Moçambique, através da Plural Editores, mas os resultados só serão conhecidos no final do mês de janeiro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Terrorismo

Basta!

Gonçalo Dorotea Cevada

Que suposta superioridade moral é essa que não nos permite admitir que o problema não está na suposta falta de integração social, mas na propaganda feita por certas mesquitas localizadas na Europa?

Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados

Terrorismo

Do lado de dentro da janela

Helena Matos

Tudo resultou em mais gritos Alá é grande”, mais carrinhas descontroladas afinal conduzidas por mão firme, mais lobos solitários que tinham quem os apoiasse. Mas "Nós não temos medo". Claro que temos