Logo Observador
Linguística

Palavra do Ano 2016 é anunciada esta quarta-feira em Loures

A Palavra do Ano vai ser divulgada numa cerimónia na Biblioteca Municipal de Loures pela Porto Editora. A votação esteve disponível online e decorreu entre os dias 1 e 31 de dezembro de 2016.

Durante o mês de dezembro, as palavras "geringonça" e "campeão" foram sempre liderando as intenções de voto dos cibernautas

Inacio Rosa/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O vocábulo escolhido como a Palavra do Ano é divulgado esta quarta-feira, numa cerimónia na Biblioteca Municipal de Loures, pela Porto Editora, que organiza a iniciativa. A votação online para a escolha da Palavra do Ano, a partir de uma lista de dez vocábulos, decorreu de 1 a 31 de dezembro em www.palavradoano.pt.

“Brexit”, “campeão”, “empoderamento”, “geringonça”, “Humanista”, “microcefalia”, “parentalidade”, “presidente”, “turismo” e “racismo” constituem a lista de palavras sujeitas a votação.

Durante o mês de dezembro, segundo fonte da organização, as palavras “geringonça” e “campeão” foram sempre liderando as intenções de voto dos cibernautas.

A escolha da Palavra do Ano iniciou-se em maio do ano passado, acolhendo sugestões de cibernautas, num processo que passou sobretudo pelo estudo da frequência e distribuição do uso das palavras, da monitorização da comunicação social e das redes sociais e, ainda, dos acessos e consultas aos dicionários digitais da Porto Editora.

Esta é a oitava edição da Palavra do Ano, em Portugal e, pela primeira vez, decorreu também em Angola e Moçambique, cujos resultados só serão conhecidos em meados deste mês.

As palavras eleitas nas edições anteriores foram “esmiuçar” (2009), “vuvuzela” (2010), “austeridade” (2011), “entroikado” (2012), “bombeiro” (2013), “corrupção” (2014) e “refugiado” (2015).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Atentados de Bruxelas

Um ano de cinzas

Alexandre Krauss

Não consigo passar o terminal do aeroporto de Bruxelas sem estar em alerta para algo suspeito. Mas algo mais mudou em mim: nunca foi tão forte o meu empenho em ajudar a reformar o Projecto Europeu.