Holocausto

Arquivo alemão sobre vítimas do Holocausto disponibilizado online

181

O arquivo alemão International Tracing Service anunciou a publicação online do seu inventário da época do Holocausto, que inclui cerca de 30 milhões de documentos sobre a perseguição nazi.

ANDRZEJ GRYGIELSTF/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O arquivo alemão International Tracing Service anunciou esta segunda-feira a publicação online do seu inventário da época do Holocausto, que inclui cerca de 30 milhões de documentos sobre a perseguição nazi, o trabalho forçado e o destino dos sobreviventes.

Responsáveis do arquivo, de Bad Arolsen (centro-oeste), disseram ainda que partes do espólio que foram sujeitas apenas a uma indexação preliminar também vão ser disponibilizadas. Descrições mais pormenorizadas serão acrescentadas gradualmente.

O International Tracing Service (ITS) foi criado pelos Estados Unidos e os aliados após o fim da II Guerra Mundial, com o objetivo de investigar o que aconteceu às vítimas do Holocausto: informação sobre o período de detenção, trabalho forçado e assistência no pós-Guerra.

Em 2007, foi permitido o acesso de académicos e investigadores aos documentos, iniciando-se a transformação de arquivo para instituição de investigação. O espólio do ITS foi inscrito em 2013 pela UNESCO na lista de património documental “Memória do Mundo”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

Quem esconde carrascos estalinistas e o seu chefe?

José Milhazes
251

Um tribunal de Moscovo recusou novo pedido da família de Raoul Wallengerg, diplomata sueco que salvou do Holocausto dezenas de milhares de judeus, de acesso à documentação sobre o seu destino na URSS.

Assembleia Da República

Arquitectos por decreto

Cláudia da Costa Santos

Se atualmente a “execução de projectos de Arquitectura” é o único acto reservado dos arquitectos, até onde se pretende levar esta cruzada? O objetivo é extinguir de vez a profissão de arquitecto?

Rui Rio

As prioridades do “novo PSD”

Helena Garrido

Descentralização, fundos comunitários, segurança social e justiça são as prioridades de Rio carentes de consensos. De todas elas a mais urgente é a segurança social. A menos compreensível é a justiça.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site