Combustível

Combustíveis. Entidade que Governo quer extinguir diz que vai continuar

Governo quer extingir a Entidade Nacional para o Mercado dos Combustíveis. Mas a ENMC anuncia que vai assumir novas competências e designação. Credores podem exigir reembolso de 360 milhões.

Getty Images

O Governo pretende extinguir a Entidade Nacional para o Mercado dos Combustíveis (ENMC), na sequência de uma alteração introduzida no Orçamento do Estado de 2017. A intenção foi esta quarta-feira reafirmada, no despacho de nomeação do novo presidente da ENMC, a entidade empresarial que tem desempenhado funções na área de licenciamento e fiscalização do setor do petróleo e dos combustíveis rodoviários.

No entanto, na semana passada, a ENMC dava um sinal ao mercado em sentido contrário, em resposta a pedidos de esclarecimento dos operadores do sistema petrolífero, emitido através da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), em que começa por dizer que não foi extinta.

O comunicado lembra que o Orçamento do Estado aprovou uma “reestruturação da fiscalização do setor energético, designadamente concentrando as atuais competências dispersas entre a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), a Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis e a Direção-Geral de Energia e Geologia numa entidade fiscalizadora especializada para o setor energético”.

E conclui que, após estas alterações legais, a “ENMC vai assumir novas competências e, assumir uma nova designação, bem sabendo que as atuais atribuições, como seja a supervisão do mercado de combustíveis vão continuar a ser asseguradas, e até reforçadas no novo quadro legal”.

As alterações à regulação do setor dos combustíveis foram uma iniciativa do Partido Comunista, aprovada pelos socialistas, que prevê, por um lado, a extinção da ENMC, dividindo as atuais competências entre a Entidade Reguladora dos Serviços de Energia (ERSE) e a Direção-Geral de Energia e Geologia (GGEG).

Para justificar a extinção da ENMC, o PCP argumenta que “nada justifica a não integração de todas as atividades de regulação pública dos diversos setores energéticos numa única entidade, com duas evidentes vantagens”: As sinergias ao nível do acompanhamento dos vários mercados de energia e as “poupanças evidentes pelos cortes dos custos de funcionamento de uma entidade reguladora face à sua atual duplicação acontece desde a criação da ENMC, em dezembro de 2013″.

Credores podem exigir reembolso de 360 milhões

Mas se a poupança é um dos argumentos para acabar com a ENMC, a sua extinção pode vir a representar uma fatura muito mais pesada para o Estado. Em causa está uma emissão obrigacionista de 360 milhões de euros vendida junto de dois bancos internacionais que têm o direito de exigir o reembolso antecipado do empréstimo com o fim da entidade que o contraiu.

Este financiamento a 20 anos foi obtido em 2008, com condições muito favoráveis — os juros estão indexados à Euribor (que está em níveis historicamente baixos) — a sua substituição traria custos muitos elevados para o Estado. Em alternativa, o crédito teria de ser pago logo antecipadamente.

O alerta para este risco já tinha sido feito pelo ex-presidente da ENMC, Paulo Carmona, num encontro com jornalistas em novembro do ano passado em que mostrou também a surpresa pelo apoio do Governo à proposta de extinção da entidade. O gestor já tinha terminado o mandato e foi substituído por Filipe Meirinho que era quadro da ENMC.

Terá sido por causa desta emissão obrigacionista que o anterior Executivo de Passos Coelho não avançou com a extinção da antecessora da ENMC, a Egrep, optando por manter a entidade como uma empresa pública, tendo até reforçado as suas competências de forma significativa.

Empréstimo pode passar para a Parpública

O Observador questionou o Ministério da Economia, que tutela a ENMC, sobre o futuro desta entidade, das suas competências e do empréstimo obrigacionista, mas não obteve respostas até agora. No entanto, e de acordo com informação recolhida, há pelo menos duas hipóteses em consideração para evitar o reembolso antecipado do empréstimo obrigacionista. Manter a operação junto de uma entidade empresarial pública, uma espécie de mini-ENMC, ou transferi-lá para uma empresa pública já existente, como a Parpública, o que teria de ser aceite pelos bancos subscritores do empréstimo.

No comunicado, a entidade diz que vai continuar a exercer plenamente as funções atribuídas até à conclusão do novo quadro legal, pelo que os operadores continuam obrigados a prestar os dados de mercado.

O Governo aguarda uma proposta de projeto da ERSE sobre as novas atribuições em matéria de regulação dos combustíveis, estão ainda previstas alterações na estrutura da Direção-Geral de Energia e Geologia.

A Egrep nasceu em 2001 para gerir até um terço das reservas estratégicas de combustíveis que os operadores do mercado nacional são obrigados a fazer para assegurar a segurança do abastecimento, cobrando uma tarifa pelo armazenamento feito para terceiros. Apesar dos elevados volumes financeiros movimentados, e um empréstimo avultado para a constituição dos primeiros stocks, para o qual foi feito um swap entretanto cancelado, a empresa sempre teve uma dimensão muito reduzida em termos de recursos humanos.

Em 2013, a Egrep passou a Entidade Nacional do Mercado de Combustíveis (ENMC) com competências reforçadas na monitorização do mercado de combustíveis e dos biocombustíveis e a prospeção, pesquisa, desenvolvimento e exploração de recursos petrolíferos, bem como a defesa dos consumidores.

Finanças usam preços da ENMC para ajustar imposto

A ENMC passou ainda a fiscalizar os postos de abastecimento e a qualidade dos combustíveis e a produzir informação sobre a evolução dos preços de referência no mercado, um valor que é calculado sem as margens das petrolíferas, custos logísticos e distribuição. Estes valores diferem dos preços médios finais de mercado, publicados pela Direção-Geral de Energia, que também é tutelada pelo Ministério da Economia, mas foram os utilizados pelo atual Ministério das Finanças para determinar quando é que a subida do preço dos combustíveis deve ser compensada por uma descida do imposto petrolífero.

O reforço dos poderes da ENMC, que nunca chegou ter o estatuto de regulador, foi acompanhado de outras medidas de intervenção no mercado como a imposição aos postos da oferta de combustíveis de baixo custo (low-cost), sem aditivos.

No final de 2015, e segundo o relatório e contas ainda não aprovado pela tutela (tal como o de 2014), a ENMC tinha 31 colaboradores, incluindo dois administradores, que ficaram reduzidos a um. A empresa apresentou prejuízos avultados nesse ano — de 84,7 milhões de euros que resultaram da desvalorização dos stocks de produtos refinados, face ao custo de aquisição.

Por causa da queda dos preços do petróleo e dos combustíveis e devido a um contencioso com o Fisco que só terá ficado sanado em 2016 — a Administração Fiscal exigiu imposto sobre os lucros contabilísticos gerados pela valorização das cotações dos produtos armazenados — a ENMC estava em falência técnica com uma situação líquida negativa de 93 milhões de euros que se terá entretanto agravado. Este cenário pode ser invertido com a recuperação do preço do petróleo que permitirá revalorizar os stocks de produtos refinador.

No entanto, a sua extinção não terá impacto negativo na dívida ou no défice do Estado, segundo esclarecimento dado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) ao Observador.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site