Arbitragem

Conselho de Arbitragem vai disponibilizar relatórios dos árbitros aos clubes

O Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol vai passar a disponibilizar os relatórios dos árbitros aos clubes, revelou o Sporting, que salientou querer "ajudar a pacificar" o futebol.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) vai passar a disponibilizar os relatórios dos árbitros aos clubes, revelou esta quarta-feira o Sporting, que salientou querer “ajudar a pacificar” o futebol português.

“Apresentámos formalmente as nossas propostas ao Conselho de Arbitragem, que se comprometeu a dar-nos a possibilidade de termos, em breve, os relatórios dos árbitros em direto e, com isso, conseguirmos pacificar e credibilizar o futebol português”, afirmou Bruno Mascarenhas, vogal do conselho diretivo dos leões, após a reunião que o Conselho de Arbitragem da FPF teve com os clubes das ligas profissionais de futebol, na Cidade do Futebol, em Oeiras.

No final do encontro, que durou cerca de duas horas e meia e no qual não marcaram presença os presidentes de Benfica, Sporting, FC Porto e Sporting de Braga, o representante dos leões anunciou que o Conselho de Arbitragem espera colocar esta medida em prática “assim que possível”.

Queremos que os árbitros sejam defendidos, possam dar a sua versão dos factos e não fiquem dependentes de um conjunto de pessoas que anteriormente faziam as classificações. Foram abertos cerca de 200 processos de reavaliação de notas. Isso significa que, se calhar, as notas que os observadores dão não são aquilo que é o entendimento do Conselho de Arbitragem”, prosseguiu Bruno Mascarenhas.

O representante do Sporting reforçou ainda que, nesta reunião, foram formalmente apresentadas as propostas divulgadas recentemente pelo presidente leonino, Bruno de Carvalho, entre as quais a alteração completa do quadro de árbitros e observadores.

“O Conselho de Arbitragem está com vontade de melhorar, mas tem um plantel de árbitros e observadores que vem da época passada e há pouco a fazer quanto a isso. Não colocamos em causa a honorabilidade das pessoas, mas foram nomeadas pelo anterior Conselho de Arbitragem. O Conselho disse que conta com estas pessoas. Nós gostaríamos que fossem outros, novos, sem estes vícios”, sublinhou.

Apesar das queixas sobre a arbitragem, Bruno Mascarenhas afirmou que o Sporting tem sido “contido” nas críticas.

Se há coisa que temos sido é contidos. Temos sido apoiantes do atual Conselho de Arbitragem e em prol da arbitragem e da defesa dos árbitros. Não temos interesse nenhum em que haja violência. Mas não queremos ser prejudicados.

De resto, momentos antes, o presidente do Rio Ave, António Silva Campos, admitiu que o Conselho de Arbitragem da FPF aproveitou o encontro para fazer um pedido aos clubes: “Efetivamente pediram mais contenção aos clubes.”

O líder dos vila-condenses referiu que a reunião teve um caráter “mais informativo”, na qual “o Conselho de Arbitragem deu conhecimento aos clubes das suas iniciativas e algumas regras que estão a ser criadas”.

Por seu lado, o presidente do Vitória de Guimarães, Júlio Mendes, destacou o facto de o Conselho de Arbitragem ter esclarecido algumas medidas que pretende adotar.

É importante que o Conselho de Arbitragem consiga encontrar um modelo para comunicar aquilo que vai fazendo. É unânime que os árbitros não são máquinas, também cometem erros, mas as nomeações são feitas e os erros são cometidos. Se houver estas explicações, tudo fica mais facilitado”, disse.

Da mesma forma, Álvaro Braga Júnior, presidente da SAD do Boavista, salientou a importância de alterar “muitos hábitos” implantados no futebol português e “não só na arbitragem”.

Há sempre quem ganha e quem perde, e isso será sempre uma condicionante em relação à arbitragem. Quando um árbitro comete um erro crasso, gritante, as pessoas depois não entendem que esses árbitros estejam já a arbitrar na jornada seguintes, até mesmo em alguns jogos mais mediáticos”, adiantou o dirigente boavisteiro.

Dos 35 clubes que integram as duas ligas profissionais, apenas não marcaram presença na reunião o Nacional, da I Liga, Sporting da Covilhã, União da Madeira, Gil Vicente, Académico de Viseu e Vizela, todos da II Liga.

O Benfica fez-se representar por Paulo Gonçalves, assessor jurídico da SAD, e Nuno Gomes, diretor do Caixa Futebol Campus, o FC Porto enviou João Pinto, adjunto do diretor para o futebol, e Jaime Teixeira, diretor de relações externas, enquanto o Sporting esteve representado por Bruno Mascarenhas, vogal do conselho diretivo, e João Lobão, assessor jurídico.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site