Logo Observador
Televisão

Joseph Fiennes é mesmo Michael Jackson em “Urban Myths”

É a interpretação mais falada do filme produzido pela Sky Arts, que junta quatro peças de humor sobre personagens históricas. Dylan, Chaplin e Hitler também lá estão. Este é o primeiro trailer.

Já se sabia que aí vinha mas ainda havia algumas dúvidas sobre o casting final: “Urban Myths” é o filme que o canal inglês Sky Arts estreia no próximo dia 19 e que junta figuras históricas em quatro diferentes momentos em que o humor e o nonsense são os ingredientes principais.

A história mais mediática conta com a figura de Michael Jackson, atribuída ao ator inglês Joseph Fiennes: a escolha de um ator branco para interpretar um homem negro tinha já sido criticada por muitos mas isso não foi suficiente para demover os criadores de “Urban Myths” (o próprio Fiennes falou sobre o assunto). Este é o primeiro trailer:

Na história que junta Michael Jackson, Elizabeth Taylor (Stockard Channing) e Marlon Brando (Brian Cox), os três seguem numa viagem de carro de volta à Califórnia, depois do 11 de setembro. O trailer não revela muito mais a não ser que o trio é parado pela polícia e que é Brando que segue no banco de trás.

Os outros momentos do filme vão mostrar Hitler (Iwan Rheon) e o assistente (Rupert Grint): enquanto o primeiro pinta os seus quadros, o segundo observa e ajuda. Há Cary Grant (Ben Chaplin) e Timothy Leary (Aidan Gillen), os dois juntos, entre ácidos e experiências psicadélicas. E também haverá Samuel Beckett com um motorista e Bob Dylan (Eddie Marsan) à procura de “Dave”.

Ben Palmer é o realizador de “Urban Myths”, que tem sido alvo de críticas desde que foi apresentado. A questão da diversidade na indústria do cinema voltou ao debate com o Fiennes-Jackson-Gate, uma polémica que foi abordada pelo próprio ator. Disse ele na entrevista ao Hollywood Reporter:

Tive um debate interior com a decisão do casting e dos produtores. E sabia que era um assunto sensível, especialmente para os fãs e para a família do Michael. Mas isto não nega quem ele foi.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

O que defendemos no debate sobre a eutanásia

Isabel Galriça Neto

Na Holanda em 2015 praticou-se uma eutanásia a cada hora e meia. De pessoas com doença mental, pessoas que não pediram para morrer, pessoas sem situações de terminalidade, pessoas cansadas de viver.

Comunicação Social

Liberdade de imprensa e ciclos eleitorais

Luís Aguiar-Conraria

Há imenso trabalho científico sobre a correlação fortíssima entre a saúde da democracia e a liberdade de imprensa. E com uma imprensa mais livre a capacidade de manipulação das contas públicas diminui