Logo Observador
Mário Soares (1924-2017)

Parlamento sobre Soares: “Todos estiveram alguma vez do lado dele e contra ele”

Ferro Rodrigues leu o voto de pesar pelo "amigo" Mário Soares, de quem já tem "saudades". Deputados destacam que legado que o antigo PR deixou é "demasiado grande" para ser esquecido.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O presidente da Assembleia da República não resistiu a dar uma palavra sobre o seu “amigo pessoal” e assumir as “saudades” que já sente de Mário Soares. No arranque da sessão evocativa de homenagem na Assembleia da República, Ferro Rodrigues leu o voto de pesar, em nome do Parlamento, onde destacou que a “marca” que o antigo Presidente da República deixou “é demasiado grande para ser esquecida“. Os deputados assumem um “sentimento de perda” ao qual se junta uma “gratidão eterna“.

O voto de pesar, que Ferro continuou a ler emocionado, lembra que “o lema de vida de Mário Soares foi sempre o mesmo: só é vencido quem desiste de lutar“. Os deputados destacam que “se a política era vocação” do histórico socialista, a “liberdade era a sua causa”.

O texto lido por Ferro Rodrigues, recorda ainda que “desde o momento da sua chegada a Santa Apolónia, no ‘Comboio da Liberdade’, nunca perdeu de vista aquilo que era, para si, o essencial”. De tal forma que “o País inteiro acabou por apanhar o ‘Comboio da Liberdade’. O voto de pesar aponta que “o Portugal democrático, tolerante e solidário; o País do mar, europeu e aberto ao mundo, é o país de Mário Soares”.

É destacado, no texto lido por Ferro Rodrigues, que Soares “cometeu erros, certamente, mas sempre entendeu a política democrática como uma atividade apaixonante, feita de vitórias mas também de derrotas, assente em escolhas claras e convicções fortes”. É por isso que “todos estiveram alguma vez ao lado dele e contra ele“. Mas, “ao mesmo tempo, todos lhe reconhecem a lealdade com os adversários e a tolerância com a diferença”.

Ora, o sentimento de perda é assim, destaca Ferro Rodrigues, “acompanhado por um sentimento de gratidão eterna”. O voto de pesar foi aprovado por unanimidade.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Mário Soares (1924-2017)

Por estes dias

Maria João Avillez
117

Evocou-se a história, o passado, navegadores e poetas, e falou-se no presente olhando para o futuro. Portugal estava ali e por momentos, reconciliado. Graças a Soares.

Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.