Logo Observador
Washington

Senado norte-americano já deu o primeiro passo para fim do ObamaCare

O Senado norte-americano aprovou, por uma margem de três votos, uma resolução que põe em marcha a preparação de uma lei que revogue partes do plano de saúde do presidente cessante.

SHAWN THEW/EPA

Faltam oito dias para que o presidente eleito tome posse, mas o Senado norte-americano já começou a trabalhar numa das promessas de campanha mais polémicas de Donald Trump. Esta quinta-feira, foi aprovada – com 51 votos a favor e 48 contra – uma resolução que dá luz verde ao próprio Senado e à Casa dos Representantes para trabalhar na revogação do “Affordable Care Act”, nome oficial do pacote de saúde que ficou conhecido como ObamaCare.

Contra os Democratas — que se opuseram à resolução, obrigando os Republicanos no Senado a uma (apenas aparente) demonstração de unidade –, a resolução foi aprovada na sequência de uma votação que se prolongou por horas, com tomadas de posição de cada um dos democratas que participaram no momento. “Por não haver um substituto, voto não”, referiu a senadora Claire McCaskill, citada pelo The Washington Post.

Esse foi também o argumento usado pelo republicano Rand Paul, que se opôs ao desmantelamento do plano de saúde batizado pelo presidente Obama, seguido por vários colegas de partido, reticentes em acabar com o que existe sem uma alternativa clara no horizonte. “Queremos apenas mais detalhes”, pediu o republicano Mark Meadows. “Estou disponível para votar ainda hoje se tivermos esses detalhes, portanto, não é tanto uma questão de atrasar o processo por atrasar, precisamos de saber com o que vamos substituí-lo”.

À medida que o desfecho se tornava mais claro, com a aprovação do diploma e a concretização do primeiro passo para acabar com o ObamaCare, os senadores democratas foram apontando ao partido Republicano responsabilidades antecipadas por um eventual caos que venha a instalar-se. O “Affordable Care Act” dá cobertura a cerca de 20 milhões de norte-americano sem capacidade financeira para suportar os custos de um seguro privado de saúde. Pessoas que voltam a ficar desprotegidas.

“Ponham esta irresponsabilidade e esta revogação apressada de parte, trabalhem connosco numa forma de melhorar a proteção de saúde na América, não coloquem o caos no lugar dos cuidados sustentáveis”, apelou o senador Schumer. Esta sexta-feira, ao que tudo indica, os republicanos darão esse primeiro passo para encontrar um substituto para o ObamaCare, apresentando no senador legislação que salvaguarde os cuidados de saúde aos beneficiários deste programa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
União Europeia

Brexit, o teste ao futuro europeu

Helena Garrido

Se a saída do Reino Unido da União Europeia for um sucesso, outros cairão na tentação e o projecto não resistirá. Se for um fracasso, de tensão política e crise económica, a UE ainda se desunirá mais.