Logo Observador
Atentados de Paris

Suspeito de atentados em Paris afirma “não ter vergonha” dos seus atos

O principal suspeito dos ataques de Paris disse "não ter vergonha" de quem é, na resposta a uma mulher que lhe enviou cartas para a prisão, de acordo com excertos publicados na imprensa francesa.

ETIENNE LAURENT/EPA

O principal suspeito dos ataques de Paris disse “não ter vergonha” de quem é, na resposta a uma mulher que lhe enviou cartas para a prisão, de acordo com excertos publicados esta sexta-feira na imprensa francesa.

Salah Abdeslam recusou-se a responder às perguntas dos juízes franceses sobre os ataques de 13 de novembro de 2015, em que 130 pessoas morreram às mãos de extremistas do Estado Islâmico. No entanto, numa correspondência com uma mulher anónima, publicada pelo jornal Libération, o jovem mostra-se “falador pela primeira vez”, aponta o diário.

Antes de tudo, não tenho medo de deixar escapar algo porque não tenho vergonha do que sou. Além disso, o que se pode dizer de pior em relação ao que já foi dito?”, escreveu.

“Estou a escrever-te sem saber como começar, recebi todas as tuas cartas e não sei se gostei delas ou não mas definitivamente permitiram-me passar algum tempo no mundo exterior. Como foste direta, também vou ser, se te pergunto quais são as tuas intenções é para me assegurar que não me amas como uma ‘estrela’ ou um ‘ídolo’ porque recebo mensagens dessas e não apoio isso porque a única pessoa que merece ser adorada é Alá”, pode ler-se.

Abdeslam recebeu mensagens de várias pessoas mas só respondeu a uma mulher, de acordo com o jornal. O jovem de 27 anos foi transferido de França para a Bélgica em abril, depois de ser detido em Bruxelas. Os seus dois advogados disseram em outubro que não iriam mais defendê-lo dado a sua recusa de responder a perguntas.

Acredita-se que Abdeslam é o único extremista que sobreviveu aos ataques à capital francesa. Abdeslam é acusado de ter disponibilizado apoio logístico aos sete extremistas que morreram nos vários locais dos ataques: a sala de espetáculos Bataclan, o estádio nacional Stade de France, e vários bares e restaurantes em Paris.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Presidenciais em França

A Revolução Francesa

Paulo Trigo Pereira

Quer gostemos ou não do personagem, após o processo presidencial Emmanuel Macron e o seu movimento “En marche” a política, em França, e na Europa, não voltará a ser o que era.