Dívidas

Portugal leiloa esta quarta-feira até 1,5 mil milhões de dívida de curto prazo a 6 e 12 meses

Portugal vai fazer dois leilões, esta quarta-feira, para colocar entre 1.250 e 1.500 milhões de euros em Bilhetes do Tesouro a seis e 12 meses.

A última emissão de Bilhetes do Tesouro a seis meses aconteceu em novembro do ano passado, altura em que foram colocados no mercado 250 milhões de euros a uma taxa de juro média de -0,027%

Ant

Autor
  • Agência Lusa

Portugal realiza, esta quarta-feira, dois leilões para colocar entre 1.250 e 1.500 milhões de euros em Bilhetes do Tesouro a seis e 12 meses, foi anunciado. Em comunicado emitido na sexta-feira, o IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública informou que os Bilhetes do Tesouro têm maturidades em 21 de julho de 2017 e em 19 de janeiro de 2019.

A última emissão de Bilhetes do Tesouro a seis meses aconteceu em novembro do ano passado, altura em que foram colocados no mercado 250 milhões de euros a uma taxa de juro média de -0,027%. Na mesma altura ocorreu também o mais recente leilão de Bilhetes do Tesouro a 12 meses, tendo sido emitidos 1.250 milhões de euros, a uma taxa de juro de 0,005%.

De acordo com o programa de financiamento do Estado para 2017, a agência que gere a dívida pública portuguesa espera que o financiamento líquido resultante da emissão de Bilhetes do Tesouro vai resultar “num impacto nulo” e adianta que “será mantida a estratégia de emissão ao longo de toda a curva, combinando prazos curtos com prazos longos”.

Ao longo de 2017, o IGCP pretende também emitir entre 14 a 16 mil milhões de euros em Obrigações do Tesouro, através de emissões mensais. Em termos líquidos, a República portuguesa precisa de um financiamento de 12,5 mil milhões de euros para este ano, num valor que inclui 2,7 mil milhões euros de fundos associados à recapitalização da CGD, que já se encontram financiados.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Atenção ao regresso da dívida

Helena Garrido
3.795

O endividamento está de volta. É preciso lembrar erros cometidos na primeira década do século XXI, pois a festa está boa. A dívida não desaparece. É com ela que os países caem nas mãos dos credores.

Autárquicas 2017

As eleições de André Ventura

Rui Ramos

Não há no que André Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. Mas este Verão, a nossa oligarquia política precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse.  

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site