Exposições

Uma exposição para mostrar como Lisboa podia ter sido

2.095

O Museu de Lisboa revela, a partir de 26 de janeiro, 200 peças - desenhos, maquetas e fotografias - que recordam projetos urbanísticos e arquitetónicos que não chegaram a ser concretizados na cidade.

O Hilton da Santa Apolónia que nunca chegou a acontecer

“A Lisboa que Teria Sido” é o título da exposição que inaugura no dia 26 de janeiro no Museu de Lisboa e que revela “projetos urbanísticos e arquitetónicos que não chegaram a ser concretizados”, explicam os responsáveis do museu. Estarão reunidas cerca de 200 peças, assinadas por personalidades que “pensaram a cidade”, como Francisco de Holanda, Eugénio dos Santos, J. C. Nicolas Forestier, Ventura Terra, Cristino da Silva, Raul Lino, Cottinelli Telmo ou Cassiano Branco.

No texto que apresenta a exposição, comissariada por António Miranda e Raquel Henriques da Silva, o Museu de Lisboa recorda que “a reconstrução, depois do terramoto de 1755, dotou a Baixa de uma dimensão majestosa, mas a normalização da arquitetura pombalina foi então, e até muito recentemente, considerada soturna e sem grandeza. Tornar Lisboa mais monumental, grandiosa e palco das sucessivas novidades da arquitetura e do urbanismo foi o objetivo da maioria das propostas idealizadas a partir da segunda metade do século XIX”.

[alguns dos documentos e peças que vão estar em exposição:]

A mostra a inaugurar no dia 26 faz uso dos arquivos da Câmara e do Museu de Lisboa, onde estão guardados “inúmeros projetos encomendados para a cidade que, por diferentes razões, não foram realizados, ou que não o foram em todas as suas componentes”. Projetos esses que têm em comum, asseguram os responsáveis pela exposição, “o desejo de monumentalizar e modernizar a capital”.

Desenhos, maquetas, fotografias e projetos de urbanismo e de arquitetura, “desde o século XVI até à contemporaneidade, com maior incidência sobre o século XX”, são os objetos que formam “A Lisboa que Teria Sido”. Os visitantes poderão conhecer uma “seleção de materiais gráficos e tridimensionais focada no eixo central, da Praça do Comércio ao Parque Eduardo VII, o Martim Moniz, a frente ribeirinha, as portas da cidade e as pontes para a ‘outra banda'”. A exposição conta ainda com um catálogo e um ciclo de conversas.

“A Lisboa que Teria Sido”: de 26 de janeiro (inauguração às 19h) a 25 junho, de terça a domingo, das 10h às 18h (última entrada às 17h30); preço: 3€ inclui entrada em todos os espaços do Museu de Lisboa — Palácio Pimenta, no Campo Grande, em Lisboa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereira@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site