Logo Observador
Presidente Trump

Presidente francês avisa que protecionismo económico é a “pior das respostas”

O presidente francês sublinhou hoje a sua oposição ao protecionismo económico, numa clara alusão à política anunciada pelo presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump.

Elvis Gonzáles/EPA

O presidente francês, François Hollande, sublinhou hoje a sua oposição ao protecionismo económico, numa clara alusão à política anunciada pelo presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump.

“Estamos totalmente contra o protecionismo. Somos a favor de uma globalização regulada, porque há regras sanitárias, sociais (…) nas trocas [comerciais] entre os países, entre as regiões”, declarou François Hollande no palácio presidencial de Santiago no Chile, numa conferência de imprensa comum com a sua homóloga chilena, Michelle Banchelet.

“O protecionismo é a pior das respostas”, insistiu o chefe de Estado francês, considerando que, em última instância “o que impede o comércio prejudica o crescimento e afeta o emprego”, inclusive em países que o defendem.

Na sexta-feira, Donald Trump tomou posse como 45.º Presidente dos EUA. No discurso inaugural, disse que cada decisão tomada durante o seu mandato “será feita para proteger os trabalhadores americanos e as famílias americanas”.

Donald Trump prometeu já também medidas como a descida de impostos, um plano de relançamento orçamental e o aumento do protecionismo, o que já motivou críticas de vários líderes, nomeadamente de Hollande e da chanceler alemã, Angela Merkel.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunismo

PCP continua a falsificar a História

José Milhazes

O PCP criou um site para celebrar os 100 anos da revolução bolchevique de 1917, mas abre-o logo com uma fotografia falsificada de Lenine. Trata-se apenas da primeira de muitas falsificações históricas

Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.