Logo Observador
Tive uma Ideia

Platforme. Este “segredo” português de 6 milhões trata a moda de luxo por tu

621

Empresa cofundada por Gonçalo Cruz quer fazer renascer um segmento da alta moda com uma tecnologia que permite personalizar produtos ao gosto de cada cliente. A marca de Karl Lagerfeld já é parceira.

O designer de moda Karl Lagerfeld é a mais recente parceria da Platforme

Getty Images

A sua vida dava um filme. Quem o diz é Gonçalo Cruz, 34 anos, cofundador da Platforme, antes Ripe Productions, uma plataforma tecnológica e operacional que produz uma tecnologia para grandes marcas de luxo poderem customizar os seus produtos digitalmente. E que já tem parceiros como o ícone de moda Karl Lagerfeld.

No último Porto Startup Coffee Meetup, a 4 de janeiro, a Platforme abriu as portas de casa — que é como quem diz, do escritório –, para apresentar a empresa (até agora envolta em secretismo) e para “celebrar” o investimento de seis milhões conseguido numa ronda de financiamento internacional em setembro. “Este é o primeiro evento com mais de cinco pessoas”, conta Gonçalo Cruz.

Gonçalo_Cruz_Platforme

A empresa foi fundada no início de 2015 com José Neves como sócio e investidor

Apesar de não ser conhecida, a Platforme está a trabalhar com seis marcas, incluindo a de Karl Lagerfeld, uma marca própria, a Swear (lançada por José Neves, fundador da Farfetch, o único unicórnio — empresas que valem mais de mil milhões de dólares — de origem portuguesa) e a “preparar projetos” com empresas do grupo Louis Vuitton (LVMH) ou do Kering, dois dos maiores grupos de marcas de luxo do mundo. São perto de 500 os clientes — maioritariamente americanos, ingleses e do Médio Oriente — que já compraram e personalizaram produtos na Platforme. Mas por que é que era segredo?

Não era segredo de propósito. Estávamos muito focados no trabalho. Até porque o produto é uma marca branca, ou seja, nós ajudamos as [outras] marcas a fazê-lo. Simplesmente não foi o nosso foco porque não vendemos nada ao público, não precisamos de ser tão conhecidos. Precisamos agora para recrutar, para as pessoas também se sentirem engajadas, orgulhosas e motivadas. Viramos o ano, começamos a crescer e convém que nós próprios saibamos onde trabalhamos”, admite.

Como é que a história da Ripe começa? Quando José Neves, fundador da loja online de moda de luxo Farfetch , quis dar “um twist” à Swear. “Ele disse-me que a Farfetch estava a explodir, que conhecia muitos investidores e que tinha uma marca de sapatos [Swear, a primeira marca lançada por José Neves] à qual seria interessante dar um twist e criar algo mais tecnológico à volta dela”, conta Gonçalo Cruz. Começaram a trabalhar juntos.

Gonçalo Cruz juntou-se à empresa que detém a Swear no início de 2015. Foi nessa altura que começou a desenhar aquele que seria um projeto para customização dos produtos da marca — a My Swear. “O tempo passou muito rápido e, a nosso ver, a solução era tão forte que era um erro comercial não exportar o conceito e a tecnologia para a indústria”, refere. Juntou-se um terceiro sócio, Ben Demiri, e um investimento de um milhão de dólares. Objetivo: desenvolver uma tecnologia que permitisse às grandes marcas ter produtos customizáveis ao gosto dos clientes.

Se formos para a indústria de luxo — Chanel, Prada, Céline, Louis Vuitton — não há nenhum sítio onde seja possível fazer esse tipo de customização. Algumas dessas marcas não têm comércio online, o que é incrível. Estão a acordar para este tipo de comércio e a maioria tem capacidade para fazer objetos pessoais, customizações exclusivas. Mas é preciso ir à loja e pagar muito”, explica.

A tecnologia criada pela Platforme é uma espécie de marca branca, que é adquirida pelas marcas e introduzida nos seus sites. Ou seja, a Platforme nem sequer está online. Esta escondida em marcas como a Swear, a Karl Lagerfeld ou em projetos do grupo Louis Vuitton. “Nós pomos a nossa tecnologia nos sites das marcas, permitindo a visualização da oferta que a marca tem numa janela global gigante que é a internet”, nota.

Em setembro, a startup garantiu uma ronda de investimento internacional superior a seis milhões de dólares. “Um dos investidores disse-nos que Ripe era um nome terrível e que as pessoas podiam reconhecê-lo como RIP (Rest In Peace). E nós mudámos para Platforme”. Um trocadilho “entre platform + me, plataforma entre marcas, fábricas e cliente, plataforma online e também a palavra francesa que é muito ligada ao couture, ao luxo e às marcas”, explica Gonçalo Cruz.

A fast fashion “está afastada, por agora”

Como funciona? A partir de uma mala, por exemplo, a equipa de 3D da Platforme faz um modelo tridimensional do objeto. Cada elemento é modelado, reproduzindo o produto real num produto digital, ao detalhe, como costuras ou texturas.

No final temos um produto 3D que parece real, uma escultura digital. Isso dá-nos a possibilidade de simular uma customização que parece real. Podemos interagir com o produto, escolher as partes que queremos mudar, escolhendo os materiais e as cores”, diz Gonçalo Cruz.

Mas nem tudo é possível. As marcas definem aquilo que é possível criar. “Nós não detemos o aspeto criativo, isso é da marca. E são elas que nos dizem que podemos ter determinada parte em 10 materiais, em 15 cores, por exemplo”, explica. Dependendo dos materiais e das cores selecionadas, os preços também são diferentes. Não é o mesmo ter uns sapatos em couro ou em pele de crocodilo, por exemplo.

A oferta é também adaptada a cada região. No Brasil, por exemplo, não é possível ter peles de crocodilo e de outros animais exóticos. “Como nós sabemos que o cliente está no Brasil, nós não mostramos essas opções”, explica Gonçalo Cruz. Os contratos estabelecidos entre a Platforme e as marcas internacionais podem ir da adaptação do software até à gestão de stocks e de clientes. O modelo de negócio prevê que a marca receba uma taxa sobre os produtos que ajuda a comercializar.

É por isso que trabalhamos com grandes marcas. É completamente diferente ter 10% da Zara ou 10% da Louis Vuitton”. Por isso, a fast fashion “está afastada, por agora”.

As grandes marcas, geralmente, usam os próprios fornecedores. E é no norte de Portugal e no norte de Itália que cerca de 80% dos luxury suppliers do mundo se concentram. “Nós temos a capacidade de apoiar a produção se as marcas quiserem que nós o façamos. Não é a nossa fábrica, mas podemos ir às fábricas e dizer que temos uma grande marca que quer costumizar camisas, por exemplo”. Para a Karl Lagerfeld, por exemplo, a Platforme está a supervisionar a produção que está a ser feita em Portugal.

Platforme quer recrutar 35 pessoas em 2017

A empresa está a trabalhar na customização de sapatos e malas, mas está a ser desenvolvida uma solução para produtos de pronto-a-vestir que será lançado para março, adianta o cofundador. “Para já”, são estas as categorias que podem ser personalizadas, mas Gonçalo Cruz não deixa de parte a inclusão de outras, desde que integradas no segmento de luxo.

Para 2017, Gonçalo Cruz traça três objetivos: “Ter uma grande marca a usar a nossa tecnologia num projeto já live no website e, consequentemente, ter já um projeto tecnológico que seja capaz de suportar isso mesmo. Queremos consolidar o nosso produto tecnológico e, para isso, precisamos de ter uma equipa talentosa”. Com escritórios no Porto, Guimarães e Londres, e mais de 40 colaboradores, a startup quer fazer crescer a equipa para os 75 membros.

A Platforme acaba por ser uma “combinação” de todas as experiências de Gonçalo Cruz: a de engenheiro industrial, no contacto com fábricas e com a logística que o negócio exige; a que teve na produtora Jump Willy e noutras startups que lhe deram “espaço para criar”; e, por último, a da Groupon, por onde passou e de onde diz ter percebido bem “a dificuldade de vender online”.

“Quando digo aos meu pais o porquê de me ter mudado da Accenture para a Jump Willy, de consultor para um estúdio de animação 3D, e depois para a Groupon, percebo que nada tem a ver. É até um bocado maluco fazer todos estes movimentos. Mas, no final, posso contar uma história interessante porque a Platforme é uma combinação disto tudo”, conta. E sem presença online, nem publicidade, escondida nas marcas dos outros, conta com 7,5 milhões de euros investidos e 500 clientes “de luxo”.

*Tive uma ideia! é uma rubrica do Observador destinada a novos negócios com ADN português.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cmoreira@observador.pt
Crónica

As vantagens dos incêndios

Miguel Tamen

A economia daquilo a que chamam tragédias é favorável à comunicação social. Enquanto nos períodos normais, vive de luzes e plumas que tem de pagar, nos desastres tudo é a baixo custo.