Logo Observador
Lançamentos

Caminho reedita “O Rio Triste”, de Fernando Namora

Publicado originalmente em 1982, o romance sai no final de janeiro numa nova edição da Caminho. Este é um de dois livros de Fernando Namora que a editora planeia reeditar este ano.

Fernando Namora nasceu em Condeixa a 15 de abril de 1919

MANUEL MOURA / LUSA

A editora Caminho vai continuar a republicação das obras de Fernando Namora com O Rio Triste. O romance — que David Mourão-Ferreira considerou o “mais polifonicamente ambicioso” e “arrebatadoramente conseguido” de Namora — chega às livrarias a 31 de janeiro, com prefácio de Mourão-Ferreira e posfácio de Fernando Baptista.

Publicado originalmente em 1982, O Rio Triste venceu nesse ano os prémios Fernando Chinaglia, Fialho de Almeida e D. Dinis. Reconhecido com uma das melhores obras de Namora, trata-se de um romance onde temas como o amor e a morte se fundem com os problemas políticos da guerra colonial, da emigração e da resistência.

o_rio_triste

O livro chega às livrarias a 31 de janeiro

Fernando Namora nasceu em Condeixa a 15 de abril de 1919 e morreu em Lisboa a 31 de janeiro de 1989. Licenciado em Medicina pela Universidade de Coimbra, foi no ambiente coimbrão e estudantil que procurou inspiração para as suas primeiras, como Fogo na Noite Escura (1943). Em 1949, lançou Retalhos da Vida de um Médico, uma série de narrativas sobra a sua experiência enquanto médico no interior de Portugal reeditadas no ano passado pela Caminho. A edição esgotou e uma nova já está a ser imprensa.

Autor de uma obra extensa, das mais divulgadas e traduzidas nos anos 70 e 80, marcou profundamente a literatura portuguesa da segunda metade do século XX. “Os seus romances constituem um acervo de grandeza e humanismo”, refere a editora que, até ao final de 2017, planeia lançar Domingo à Tarde, romance publicado em 1961 e vencedor do Prémio José Lins do Rego. Este segue a história de Jorge, um médico irascível, cínico e desagradável, e do seu encontro com Clarisse, uma doente.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.