Comunicação Social

Freedom House preocupada pela influência de Angola no jornalismo em Portugal

O relatório mundial da Freedom House demonstra preocupação sobre a influência de Angola nos meios de comunicação social portugueses atingindo jornalistas e provocando casos de autocensura.

ARMENIO BELO/LUSA

O relatório mundial da Freedom House demonstra preocupação sobre a influência de Angola nos meios de comunicação social portugueses atingindo jornalistas e provocando casos de autocensura.

“Observadores expressaram preocupação sobre a influência de Angola nos meios de comunicação social portugueses, realçando que a situação agravou-se nos últimos anos, altura em que os proprietários de empresas jornalísticas investiram na economia angolana”, refere o relatório mundial da organização não-governamental norte-americana Freedom House.

O documento mundial que vai ser apresentado, esta terça-feira, em Washington classifica Portugal como “país livre” mas além de demonstrar preocupação sobre a corrupção sublinha a “influência” de Angola no jornalismo português.

Têm-se registado efeitos que atingem os jornalistas que criticam Angola o que provoca casos de autocensura”, sublinha o relatório da organização fundada nos Estados Unidos durante a II Guerra Mundial.

O documento diz que “poderosos angolanos” são proprietários da Newshold, o grupo que controla o semanário Sol, “além de outras publicações”.

Por outro lado, o relatório refere que a liberdade de imprensa está garantida constitucionalmente mas que os canais públicos portugueses são pouco apoiados financeiramente e enfrentam sérios problemas de concorrência das estações de televisão comerciais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunicação Social

A segunda guerra da TVI

Rui Ramos
714

Estarão os sucessores de Sócrates tentados a aproveitar o saneamento da banca e uma eventual rearrumação da comunicação social, para relançarem o projecto imperial do seu antigo chefe? 

Autárquicas 2017

As eleições de André Ventura

Rui Ramos

Não há no que André Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. Mas este Verão, a nossa oligarquia política precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse.  

Autárquicas 2017

As eleições de André Ventura

Rui Ramos

Não há no que André Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. Mas este Verão, a nossa oligarquia política precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse.  

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site