Logo Observador
Comunicação Social

Freedom House preocupada pela influência de Angola no jornalismo em Portugal

O relatório mundial da Freedom House demonstra preocupação sobre a influência de Angola nos meios de comunicação social portugueses atingindo jornalistas e provocando casos de autocensura.

ARMENIO BELO/LUSA

O relatório mundial da Freedom House demonstra preocupação sobre a influência de Angola nos meios de comunicação social portugueses atingindo jornalistas e provocando casos de autocensura.

“Observadores expressaram preocupação sobre a influência de Angola nos meios de comunicação social portugueses, realçando que a situação agravou-se nos últimos anos, altura em que os proprietários de empresas jornalísticas investiram na economia angolana”, refere o relatório mundial da organização não-governamental norte-americana Freedom House.

O documento mundial que vai ser apresentado, esta terça-feira, em Washington classifica Portugal como “país livre” mas além de demonstrar preocupação sobre a corrupção sublinha a “influência” de Angola no jornalismo português.

Têm-se registado efeitos que atingem os jornalistas que criticam Angola o que provoca casos de autocensura”, sublinha o relatório da organização fundada nos Estados Unidos durante a II Guerra Mundial.

O documento diz que “poderosos angolanos” são proprietários da Newshold, o grupo que controla o semanário Sol, “além de outras publicações”.

Por outro lado, o relatório refere que a liberdade de imprensa está garantida constitucionalmente mas que os canais públicos portugueses são pouco apoiados financeiramente e enfrentam sérios problemas de concorrência das estações de televisão comerciais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt