Segurança Alimentar

Um em cada cinco famílias sem acesso ou com medo de não ter acesso a comida saudável

140 mil pessoas responderam mesmo que têm menos e piores alimentos à mesa, por causa das dificuldades económicas. Portugueses com mais problemas de segurança alimentar têm mais doenças crónicas.

É na Madeira, nos Açores e na região do Algarve que mais pessoas revelam insegurança alimentar

LUSA

Um em cada cinco portugueses receia não ter o que comer ou não tem mesmo acesso a uma alimentação saudável, devido a dificuldades económicas. Esta é a principal conclusão do estudo conduzido por uma equipa de investigadores da Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa, em 2015 e 2016, no âmbito do projeto Saúde.Come.

Das 19,3% famílias portuguesas que referiram estar numa situação de insegurança alimentar, a maioria apresentava um nível de insegurança alimentar ligeiro, ou seja, revelavam alguma incerteza face ao acesso a alimentos ou mesmo alterações nos hábitos alimentares, resultantes de dificuldades económicas.

Contudo, “motivo de alarme é o facto de cerca de 140 mil pessoas, 1,8 % das famílias portuguesas, reportarem que as suas dificuldades económicas comprometerem a quantidade e a qualidade dos alimentos que têm disponíveis para consumo”, sublinha Helena Canhão, coordenadora da investigação, em comunicado enviado às redações.

O inquérito nacional sobre insegurança alimentar, aplicado a 5.653 indivíduos com mais de 18 anos, permitiu ainda concluir que estes portugueses que revelaram insegurança alimentar têm mais doenças crónicas como diabetes, depressão e doenças reumáticas. E consomem mais recursos de saúde – hospitalizações e consultas hospitalares.

Num raio-X ao país, é nos arquipélagos da Madeira e dos Açores e na região do Algarve que mais pessoas revelam insegurança alimentar. E é em Lisboa que menos pessoas se dizem inseguras em termos de alimentação.

O que não surpreende é que seja nas famílias de menores rendimentos que se revelem maiores dificuldades no acesso aos alimentos saudáveis. Assim como nas famílias com habilitações mais baixas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mcarrico@observador.pt
Pobreza

O dia mundial dos pobres, uma hipocrisia?!

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Com o valor, certamente astronómico, da hipotética venda da Pietà, milhões de pobres, que vivem agora na miséria, poderiam ser significativamente ajudados.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site