Logo Observador
Segurança Alimentar

Um em cada cinco famílias sem acesso ou com medo de não ter acesso a comida saudável

140 mil pessoas responderam mesmo que têm menos e piores alimentos à mesa, por causa das dificuldades económicas. Portugueses com mais problemas de segurança alimentar têm mais doenças crónicas.

É na Madeira, nos Açores e na região do Algarve que mais pessoas revelam insegurança alimentar

LUSA

Um em cada cinco portugueses receia não ter o que comer ou não tem mesmo acesso a uma alimentação saudável, devido a dificuldades económicas. Esta é a principal conclusão do estudo conduzido por uma equipa de investigadores da Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa, em 2015 e 2016, no âmbito do projeto Saúde.Come.

Das 19,3% famílias portuguesas que referiram estar numa situação de insegurança alimentar, a maioria apresentava um nível de insegurança alimentar ligeiro, ou seja, revelavam alguma incerteza face ao acesso a alimentos ou mesmo alterações nos hábitos alimentares, resultantes de dificuldades económicas.

Contudo, “motivo de alarme é o facto de cerca de 140 mil pessoas, 1,8 % das famílias portuguesas, reportarem que as suas dificuldades económicas comprometerem a quantidade e a qualidade dos alimentos que têm disponíveis para consumo”, sublinha Helena Canhão, coordenadora da investigação, em comunicado enviado às redações.

O inquérito nacional sobre insegurança alimentar, aplicado a 5.653 indivíduos com mais de 18 anos, permitiu ainda concluir que estes portugueses que revelaram insegurança alimentar têm mais doenças crónicas como diabetes, depressão e doenças reumáticas. E consomem mais recursos de saúde – hospitalizações e consultas hospitalares.

Num raio-X ao país, é nos arquipélagos da Madeira e dos Açores e na região do Algarve que mais pessoas revelam insegurança alimentar. E é em Lisboa que menos pessoas se dizem inseguras em termos de alimentação.

O que não surpreende é que seja nas famílias de menores rendimentos que se revelem maiores dificuldades no acesso aos alimentos saudáveis. Assim como nas famílias com habilitações mais baixas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mcarrico@observador.pt
Crónica

As vantagens dos incêndios

Miguel Tamen

A economia daquilo a que chamam tragédias é favorável à comunicação social. Enquanto nos períodos normais, vive de luzes e plumas que tem de pagar, nos desastres tudo é a baixo custo.

Obituário

Um dos mais brilhantes de uma geração pioneira

João Moreira Rato

Conheci Miguel Beleza só nos últimos anos e ainda tive a oportunidade de usufruir do seu humor fino. E continuei a ouvir dos seus pares: “É uma das inteligências mais brilhantes da minha geração”.

Obituário

Custa-me acreditar que tenha partido tão cedo

Aníbal Cavaco Silva

Miguel Beleza serviu Portugal com grande competência, ajudando-o a vencer as crises financeiras por que passou e a dar passos decisivos para que acompanhasse o aprofundamento da integração europeia.

Obituário

Um dos mais brilhantes de uma geração pioneira

João Moreira Rato

Conheci Miguel Beleza só nos últimos anos e ainda tive a oportunidade de usufruir do seu humor fino. E continuei a ouvir dos seus pares: “É uma das inteligências mais brilhantes da minha geração”.

Obituário

Custa-me acreditar que tenha partido tão cedo

Aníbal Cavaco Silva

Miguel Beleza serviu Portugal com grande competência, ajudando-o a vencer as crises financeiras por que passou e a dar passos decisivos para que acompanhasse o aprofundamento da integração europeia.