Operação Marquês

Ministério Público em busca de mais pagamentos a bloggers socráticos

3.406

António Peixoto terá recebido mais de 76 mil euros para alimentar um blogue que atacava os adversários de José Sócrates. Não terá sido o único blogger a ser pago para elogiar a obra do ex-1.º ministro

ANTONIO PEDRO SANTOS/LUSA

O Ministério Público (MP) suspeita que Carlos Santos Silva terá ordenado, em nome de José Sócrates, o pagamento de remunerações a diversos bloggers para atacarem os adversários políticos do ex-primeiro-ministro e elogiarem as reformas dos seus governos.

Foi essa suspeita que levou os investigadores da Operação Marquês a realizarem buscas domiciliárias à casa do, para já, único blogger identificado nos autos como tendo recebido uma remuneração mensal: António Manuel Costa Peixoto, que assinava os seus textos com o pseudónimo “Miguel Abrantes”. As buscas foram autorizadas no final de outubro de 2016 e realizadas pouco depois.

O MP quebrou igualmente na mesma altura o sigilo bancário das contas de Peixoto e do seu filho (António Mega Peixoto) para tentar descobrir se eles terá pago a mais bloggers para apoiarem José Sócrates na blogoesfera.

Além da Câmara Corporativa, Peixoto colaborou com outros blogues, como o Simplex.

Para já, os Peixoto são apenas testemunhas nos autos mas esse estatuto processual pode alterar-se. Isto porque as buscas domiciliárias também foram autorizadas com o argumento de que os pagamentos feitos a António Costa Peixoto e a António Mega Peixoto podem configurar uma alegada prática dos crimes de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais por parte de Sócrates e de Santos Silva.

Até ao momento, não foram encontrados indícios de pagamentos a outros bloggers.

O blogger que só elogiava Sócrates

António Costa Peixoto era o rosto anónimo de um blogue (“Câmara Corporativa“) conhecido por elogiar permanentemente José Sócrates e atacar de forma dura e violenta aqueles que considerava serem os adversários políticos do ex-primeiro-ministro — fossem políticos do PS ou de outros partidos, fossem jornalistas ou opinion-makers. Sob a capa do anonimato (e através do pseudónimo “Miguel Abrantes”), Peixoto desfazia qualquer crítica a Sócrates. A sua cara só foi conhecida este fim-de-semana numa das edições do Correio da Manhã.

O semanário Sol e a revista Visão noticiaram em primeira mão no final de 2016 os pagamentos que foram realizados a António Costa Peixoto e ao seu filho António Mega Peixoto. Entre 2012 e 2014, os dois receberam cerca de 76 mil euros da empresa RMF Consulting — Gestão e Consultadoria Estratégia — sociedade gerida por Rui Mão de Ferro, um economista que era colaborador de Carlos Santos Silva e igualmente arguido da Operação Marquês.

Foi o próprio António Costa Peixoto quem admitiu ao procurador Rosário Teixeira, durante a sua inquirição a 20 de outubro de 2016, que o contrato com a RMF tinha sido intermediado por Carlos Santos Silva através de um amigo comum já falecido. Depois do contacto com Santos Silva, Peixoto encontrou-se com Rui Mão de Ferro e foi estabelecido um contrato de assessoria técnica que lhe valeria 3.500 euros mensais.

O contrato inicial foi estabelecido em 2012, a pedido expresso de Costa Peixoto, entre a RMF e o seu filho António Mega Peixoto (assessor do PS na Câmara de Lisboa). Após a reforma de Costa Peixoto em 2013, foi este quem passou a assumir a prestação de serviços à RMF.

Em testemunho prestado no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), António Costa Peixoto garantiu que tinham prestado serviços à RMF Consulting em matérias de economia e na área fiscal. Já o filho Mega Peixoto afirmou que pensava que tinha trabalhado para o Grupo Lena — apesar de os recibos que emitiu estarem em nome da RMF Consulting.

O encontro com Sócrates no Natal

Tendo por base as escutas telefónicas realizadas a José Sócrates, as conversas regulares entre o ex-líder do PS e António Costa Peixoto e os emails trocados entre os dois com textos que eram publicados no blogue Câmara Corporativa, a equipa do procurador Rosário Teixeira não tem dúvidas de que os pagamentos feitos pela RMF Consulting ter-se-ão verificado por ordens de Carlos Santos Silva e terão visado a remuneração de serviços prestados no alegado interesse de José Sócrates.

Mais: os pagamentos da RMF Consulting terão tido origem na empresa XLM — sociedade de Carlos Santos Silva que era essencialmente financiada com fundos provenientes do Grupo Lena.

O interesse dos pagamentos, para a Operação Marquês, na visão do MP, é precisamente esse: são mais um indício de como os fundos depositados ou geridos por Carlos Santos Silva pertenceriam efetivamente a José Sócrates, visto que António Costa Peixoto terá prestado serviços no interesse de José Sócrates. O mesmo tipo de raciocínio é feito, por exemplo, para os fundos pagos a Domingos Farinho pela sua colaboração na elaboração da tese de mestrado de Sócrates.

No depoimento prestado no DCIAP, António Costa Peixoto afirmou que conheceu José Sócrates no natal de 2012 por intermédio de Filipe Batista, ex-secretário de Estado adjunto de Sócrates e professor na Faculdade de Direito de Lisboa. Peixoto disse que, na sequência desse encontro, o ex-líder do PS enviou-lhe a sua tese de mestrado para que o economista, que se encontra reformado desde 2013, realizasse um trabalho de revisão. Peixoto terá admitido igualmente contactos com Pedro Silva Pereira, braço direito de Sócrates e amigo de Filipe Batista.

António Costa Peixoto disse que os pagamentos de Rui Mão de Ferro cessaram na altura da detenção de José Sócrates e de Carlos Santos Silva em novembro de 2014. No mesmo dia em que foi noticiado o início da Operação Marquês, Peixoto terá ligado a Mão de Ferro para confirmar a detenção de Santos Silva. Perante a confirmação, solicitou ao seu interlocutor que interrompesse o pagamento da avença mensal, ao que Rui Mão de Ferro, segundo Peixoto, terá respondido que também já não estava em condições de continuar a fazer os mesmos pagamentos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: lrosa@observador.pt
Caso José Sócrates

Os instrumentalizados

Helena Matos
1.559

Eles agarram-se agora à caricatura de um Sócrates super-vilão. Eles são os instrumentalizados. Apoiaram Sócrates, muitos estiveram nos seus governos e agoram fazem de conta que foram enganados. 

Caso José Sócrates

Santana e ... Sócrates

João Marques de Almeida
512

Sócrates não chegou ao poder nem o exerceu sozinho. Foi eleito primeiro-ministro como líder do PS. Nenhum dirigente do PS sente um pouco mais do que um mero “incómodo” com o que se passa com o ex-PM?

Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site