Logo Observador
Bactérias

Bagas de árvore da pimenta do Brasil desarmam bactérias multiresistentes

Investigadores de uma universidade norte-americana descobriram que as bagas da árvore da pimenta do Brasil (Schinus terebinthifolius) tornam inofensivas bactérias resistentes a antibióticos, o que pode contribuir para encontrar novos tratamentos para estas infeções.

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Investigadores de uma universidade norte-americana descobriram que as bagas da árvore da pimenta do Brasil (Schinus terebinthifolius) tornam inofensivas bactérias resistentes a antibióticos, o que pode contribuir para encontrar novos tratamentos para estas infeções.

As bagas da árvore, característica do Brasil e invasora em algumas regiões do mundo, “contêm um extrato com o poder de desarmar a perigosa bactéria Staphylococcus aureus, resistente a antibióticos”, refere uma informação hoje divulgada pela universidade Emory, em Atlanta, estado norte-americano da Georgia.

O estudo, publicado na revista especializada Scientific Reports, “pode ter potencial para novas formas de tratamento e prevenção de infeções resistentes a antibióticos, um problema mundial crescente”.

Os curandeiros tradicionais da Amazónia usaram durante centenas de anos a árvore da pimenta do Brasil para tratar infeções da pele e dos tecidos moles.

No estudo hoje divulgado, os cientistas separaram os elementos químicos das bagas e testaram-nos contra a bactéria para descobrir o mecanismo medicinal da planta, relatou a coordenadora do trabalho Cassandra Quave.

A equipa da investigadora do centro para o estudo da saúde humana e do departamento de dermatologia da faculdade de medicina da universidade demonstrou que a substância extraída das bagas inibe a formação de lesões na pele de ratinhos infetados com ‘staphylococcus aureus’, responsável por infeções cutâneas e respiratórias graves.

A substância não mata a bactéria, mas reprime um gene que permite que as suas células comuniquem entre si. Ao bloquear esta comunicação, é possível evitar que as células consigam uma atuação coletiva.

“Essencialmente desarma a bactéria MRSA [staphylococcus aureus], evitando que segregue as toxinas que utiliza como armas para danificar os tecidos”, explicou Cassandra Quave, acrescentando que o sistema imunitário normal tem assim mais oportunidade de curar a ferida.

Matar as bactérias com medicamentos está a contribuir para aumentar o problema da resistência aos antibióticos, já que algumas delas, mais fortes, podem sobreviver a estes medicamentos e proliferar, transmitindo nos seus genes essa resistência.

Este trabalho segue-se a outro de 2015, também do grupo de Cassandra Quave, segundo o qual as folhas do castanheiro europeu também contêm elementos que desarmam a mesma bactéria, sem aumentar a resistência aos medicamentos.

No ano passado, as Nações Unidas referiram as infeções multirresistentes como sendo “uma ameaça fundamental” para a saúde e segurança globais, citando estimativas que apontam para que causem, pelo menos, 700 mil mortes por ano, podendo aumentar para 10 milhões em 2050.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt