Tesouro

Elsa Roncon Santos deixa cargo de diretora-geral do Tesouro e Finanças

A diretora-geral do Tesouro e Finanças, Elsa Roncon Santos, vai deixar o cargo e é substituída internamente a partir de segunda-feira, até que seja selecionada outra pessoa, um processo que o Governo pretende realizar "com a maior brevidade possível".

Autor
  • Agência Lusa

A diretora-geral do Tesouro e Finanças, Elsa Roncon Santos, vai deixar o cargo e é substituída internamente a partir de segunda-feira, até que seja selecionada outra pessoa, um processo que o Governo pretende realizar “com a maior brevidade possível”.

Em comunicado, o Ministério das Finanças refere que a diretora-geral do Tesouro e Finanças (DGTF), Elsa Roncon Santos, “cessará funções, a seu pedido, a partir do dia 13 de fevereiro de 2017” e que vai realizar “com a maior brevidade possível o processo de seleção e de nomeação do novo Diretor-Geral do Tesouro e Finanças”.

No entanto, até que este processo esteja concluído, o lugar vai ser assumido, “em substituição”, pela atual subdiretora-geral, Maria João Araújo.

As Finanças sublinham que a equipa liderada por Elsa Roncon Santos, que iniciou funções em 2011, “conduziu os destinos da DGTF num período particularmente exigente para a administração pública, nomeadamente para os serviços do Ministério das Finanças”.

Citado na nota, o secretário de Estado adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, agradece a “competência, lealdade e sentido de responsabilidade na prossecução do interesse público com que desempenhou as suas funções ao longo de mais de um ano de trabalho conjunto”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

O futuro do trabalho

Inês Santos Silva

Já há bots a resolver multas de trânsito, algoritmos a escolher tratamentos para cancro ou a selecionar profissionais. Próximas décadas serão desafiantes, mas há dois vetores a precisar de trabalho.

Serviço Nacional de Saúde

Enfermeiros e médicos

Fernando Leal da Costa

No SNS não há investimento público, os equipamentos apodrecem, o ritmo de crescimento da rede de cuidados continuados abrandou, as dívidas sobem mais depressa, é difícil introduzir novos medicamentos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site