Logo Observador
Caixa Geral de Depósitos

PS demarca-se do que Galamba disse sobre Marcelo

1.475

O presidente e líder parlamentar do partido, Carlos César, já veio dizer que João Galamba não participa no programa televisivo "como deputado ou porta-voz" do partido.

Pedro Nunes/LUSA

O presidente e líder parlamentar do PS vem separa as águas, depois da polémica declaração de João Galamba sobre o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa no caso da Caixa Geral de Depósitos. Para Carlos César, Galamba não estava a falar como deputado e porta-voz do partido.

Questionado pelo Observador sobre se João Galamba estava a falar em nome do PS, quando disse num programa televisivo que Marcelo está “profundamente implicado” no caso da Caixa , Carlos César respondeu de forma curta: “João Galamba não participa nesse programa como deputado ou como porta-voz” do PS. O Observador tentou contactar João Galamba várias vezes durante a tarde, mas sem sucesso.

Carlos César não quis alongar-se em mais comentários sobre as declarações de Galamba que, esta tarde, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar. O socialista, que é deputado, vice-presidente da bancada parlamentar e ainda o porta-voz do partido, disse no programa “Sem Moderação”, transmitido quarta-feira à noite pela TSF e o Canal Q, que o Presidente era tão responsável no caso da Caixa Geral de Depósitos como o ministro das Finanças: “Tudo aquilo de que é acusado Mário Centeno pode Marcelo Rebelo de Sousa ser acusado da mesma coisa”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Liberdades

Mais liberalismo ou menos socialismo?

Vítor Cunha

Para galvanizar a juventude para o liberalismo não basta o "argumento da superioridade moral do individualismo": é necessário remover o incentivo para que depender do salário de Estado seja atraente.

Filosofia Política

Liberalismo, sempre!

Telmo Azevedo Fernandes
393

É necessário restaurar o espírito do Liberalismo Clássico, assumir e divulgar a superioridade moral da defesa das liberdades individuais por contraponto a qualquer das outras alternativas ideológicas.

Presidenciais em França

Macron, um Presidente sozinho

Alexandre Homem Cristo

O que há a festejar na (quase certa) eleição de Macron, na segunda volta, para além do facto de ele não ser Le Pen? Nada. Ele é um homem sozinho e sem força política para reformar uma França decadente