Logo Observador
Marine Le Pen

Sondagem. Marine Le Pen solidifica vantagem às eleições presidenciais em França

400

É mais uma sondagem -- a maior de sempre de antevisão às presidenciais -- que confirma a posição sólida da líder eurocética Marine Le Pen na corrida às presidenciais de Abril/Maio.

Le Pen deve mesmo conseguir passar à segunda volta das presidenciais francesas

Marine Le Pen, a líder da Frente Nacional, consolida a pole position na corrida à primeira volta das eleições presidenciais francesas, segundo mostra a última sondagem conduzida para o diário Le Monde. Segundo os números da Ipsos Sopra Steria, a líder populista poderá alcançar 25 e 26 por cento das intenções de voto dos franceses, contra os entre 20 a 23% do centrista Emmanuel Macron ficando o conservador François Fillon em terceiro lugar com valores entre 17.5 e 18.5%.

Antes de conhecidas as suspeitas de que Fillon possa ter pago à mulher, com dinheiros públicos, cerca de 900 mil euros por trabalhos que não está provado terem sido realizados por ela, o candidato republicano, que era visto como o nome mais forte na oposição a Le Pen, Fillon liderava com 28% contra 25% de Marine Le Pen.

O candidato socialista Benoît Hamon tem vindo a perder gás na campanha, depois de ter sido o vencedor surpresa das diretas da esquerda. Hamon poderá conseguir apenas 15.5% dos votos enquanto que no início de Fevereiro estava próximo dos 18%.

O Le Monde não revelou dados sobre os cenários para a segunda volta mas os que são conhecidos dão a Le Pen a passagem à segunda volta, onde deverá enfrentar Macron — e perder. Esta é a maior sondagem conduzida em França em antecipação às presidenciais. Foram realizados 15.000 inquéritos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: afranca@observador.pt
NATO

Surpresas

Vasco Pulido Valente

… hopes expire of a low dishonest decade… (W. H. Auden)

Terrorismo

A enorme minoria

Bernardo Sacadura

É difícil continuar a sustentar que é apenas uma minoria islâmica irrelevante a que defende os atentados terroristas. A atuação destas células também não seria possível se não tivessem cúmplices.

Terrorismo

A enorme minoria

Bernardo Sacadura

É difícil continuar a sustentar que é apenas uma minoria islâmica irrelevante a que defende os atentados terroristas. A atuação destas células também não seria possível se não tivessem cúmplices.