Logo Observador
Casa Real

Afinal, quem é a infanta Cristina?

Ela era a menina bonita da Casa Real espanhola, ele o desportista medalhado. Cristina nasceu num berço de ouro, mas o casamento com Iñaki Urdangarin distanciou-a da família e levou-a à justiça.

Já foi considerada a menina bonita da Casa Real espanhola. Chegou a ser duquesa Palma de Mallorca, título que lhe foi atribuído mediante o Real Decreto publicado a 26 de setembro de 1997, e desde o início de 2016 que é o primeiro membro da família real espanhola a ser julgado em tribunal. Cristina Federica de Borbón, a segunda filha dos reis de Espanha, nasceu a 13 de junho de 1965 num berço de ouro: a vida da infanta tinha tudo para correr bem, mas o seu envolvimento no caso Nóos viria a ditar-lhe o afastamento da família e títulos reais, bem como a levá-la para fora das fronteiras espanholas.

A infanta Cristina é notícia esta sexta-feira por ter sido absolvida do caso Nóos e por estar a pensar vir para Lisboa para estar mais perto do marido Iñaki Urdangarin, o qual foi condenado a seis anos e três meses de prisão, pena que deverá cumprir em Espanha. Mas já lá vamos.

A infanta licenciou-se em Ciências Políticas na Universidade Complutense de Madrid, considerada uma das mais antigas do mundo, em 1989 — aos 24 anos tornava-se na primeira mulher da família real espanhola com um título universitário. Seguiu-se um mestrado em Relações Internacionais na Universidade de Nova Iorque, já em 1990, e um ano depois estava a estagiar na sede da UNESCO em Paris. A infanta ficaria vinculada a esta organização internacional onde é presidente honorária, sendo que ao longo dos anos tem vindo a apoiar diversos projetos na área da educação.

Iñaki Urdangarin, de desportista medalhado a prisioneiro

A 30 de abril de 1997 a Casa Real espanhola anunciava oficialmente ao país o compromisso entre a infanta Cristina e aquele que era à data o número 7 da seleção espanhola de andebol. Iñaki Urdangarin contava 29 anos, mais três do que a futura mulher. Alguns meses depois, a 4 de outubro de 1997, em Barcelona, Cristina subiu ao altar para contrair matrimónio com o homem em quem disse “confiar plenamente” em tribunal, no âmbito do julgamento do caso Nóos que arrancou em janeiro de 2016 e que terminou esta sexta-feira, dia 17, com a absolvição da infanta. Iñaki, em tempos uma figura forte no desporto nacional, foi condenado esta sexta-feira a seis anos e três meses de prisão por crimes de prevaricação, desvio de capitais, fraude, tráfico de influência e delitos contra o tesouro.

Recuemos no tempo para explicar que a infanta conheceu o desportista nos Jogos de Altanta de 1996, tal como escreve o El Mundo. Terá sido amor à primeira vista e talvez não seja muito difícil de perceber o porquê: Iñaki Urdangarin era medalhista olímpico e parecia ter um currículo pessoal e familiar imaculado; a dose confortável de confiança que o desporto lhe concedeu era chamariz de maior, além de ser sociável e amistoso. Aos 17 anos assinou pelo Barcelona e, desde então, dedicou a vida ao desporto — Iñaki também praticava ténis e golfe). Depois de trazer para casa a medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Sydney, abandonou a carreira para dedicar-se à profissão de pai de uma família numerosa e aos deveres enquanto Duque de Palma.

A revista Hola fala precisamente de “uma história de amor serena e muito bonita”, da qual resultaram quatro filhos. A família começou a crescer quando Juan Valentín nasceu a 29 de setembro de 1999. Seguiram-se Pablo Nicolás, Miguel e Irene, a única filha do casal, que nasceu a 5 de junho de 2005.

Uma infanta afastada da família real

O julgamento da infanta Cristina e de Iñaki arrancou a janeiro de 2016, muito embora o caso Nóos remonte a 2006. Apenas uns dias antes de Iñaki ser indiciado, a 29 de dezembro de 2011, o rei Juan Carlos sublinhou na mensagem de Natal que Espanha é “um Estado de direito”, pelo que “qualquer ação censurável deverá ser julgada e sancionada segundo a lei”. Apesar de, no decorrer de uma conversa informal com os jornalistas, o rei admitir que à data do discurso não tinha ninguém em mente, este foi o início do fim das relações entre o casal mediático e a família real.

Em 2015, no auge da rutura com a família real, coube ao novo rei e irmão de Cristina, Felipe VI, retirar os títulos de Duques de Palma tanto a Cristina como a Iñaki. Ficou nas mãos da própria infanta Cristina, que é a sexta na linha de sucessão à Coroa, a decisão de renunciar ou não à linha de sucessão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Família

O dia dos meus anos

Paulo de Almeida Sande

Houve um tempo em que festejavam os meus anos e eu era feliz. Não era eu que pagava o bolo, nem tinha de decidir os amigos a convidar, não me preocupava com os pormenores, se não esquecera alguém.

Violência Doméstica

Mestrado em sexo forçado?

Laurinda Alves
195

Não está nas nossas mãos começar nem terminar namoros alheios, mas está ao nosso alcance ficar disponíveis para ouvir e conversar sobre estes temas complexos e delicados, sem moralismos nem devassas.