Logo Observador
Espanha

Irmã do Rei de Espanha muda-se para Lisboa para ficar mais perto do marido

422

A infanta Cristina vive num exílio autoimposto em Genebra, mas deverá mudar-se para Lisboa para ficar mais perto do seu marido, agora que a justiça espanhola o condenou a seis anos de prisão.

A infanta Cristina de Espanha, que conheceu hoje a sentença relativamente ao caso Nóos — no qual foi absolvida das acusações de fraude e evasão fiscal — deverá vir viver para Lisboa para ficar mais próxima do marido, Iñaki Urdangarin, agora que a justiça o condenou a seis anos e três meses de prisão no mesmo processo. Os ex-duques de Palma já tinham ponderado a decisão, uma vez que a fundação Aga Khan, para a qual Cristina trabalha em Genebra, se instalou agora em Lisboa.

O casal deixou Espanha desde que o caso começou a ser investigado, e vive atualmente em Genebra, na Suíça. Lá, Cristina trabalha para a fundação do príncipe Aga Khan, líder espiritual do ramo xiita do Islão. No ano passado, a fundação mudou a sua sede para o bairro da Lapa, no centro de Lisboa, pelo que Cristina vai preferir transferir-se para Lisboa.

Infanta Cristina absolvida. Marido condenado a seis anos e três meses de prisão

O El País escreve que Lisboa vai também permitir à infanta Cristina, a irmão mais nova do Rei Filipe VI estar mais perto do marido, Urdangarin, caso se cumpra o cenário mais provável e ele seja preso em Espanha e ela seja condenada ao pagamento de uma multa.

Cristina já tinha anunciado que iria sair de Genebra caso a sentença não lhe fosse favorável, acrescenta o jornal espanhol. A infanta — que já nem pode usar o título de Duquesa de Palma, e que já foi afastada da Família Real — deverá mudar-se definitivamente para a capital portuguesa no final do ano letivo, juntamente com os seus quatro filhos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
PSOE

Uma vitória de Pirro

Manuel Villaverde Cabral

É a deriva dos antigos partidos socialistas perante a concorrência dos movimentos populistas que se reclamam da esquerda que está a provocar a actual crise.

Conferências

Portugal, fórum do diálogo global

Daniel Traça

É cada vez mais importante criar pontes, ultrapassar o conflito, o medo, a insegurança e a intolerância. Sem um esforço intenso de promoção desse diálogo, está em risco um novo período de trevas