Logo Observador
Ministério Administração Interna

Ministra preocupada com furto de armas da PSP aguarda conclusões das investigações

A ministra da Administração Interna disse estar preocupada com o furto de 50 pistolas das instalações da direção nacional da PSP, mas aguarda a conclusão das investigações.

a quinta-feira, um comunicado do MAI informava que a PSP tinha suspendido de funções dois agentes

A ministra da Administração Interna disse esta sexta-feira estar preocupada com o furto de 50 pistolas das instalações da direção nacional da PSP, mas aguarda a conclusão das investigações para decidir se deve haver alterações nos procedimentos.

“É naturalmente algo que me preocupa e por isso mesmo já existe não só uma inspeção em curso, processos disciplinares, mas também uma investigação criminal em curso. Precisamos de esperar pelas conclusões”, cuja competência é do Ministério Público, disse Constança Urbano de Sousa na direção nacional da PSP, à margem da entrega de 34 viaturas novas à polícia.

Na quinta-feira, um comunicado do MAI informava que a PSP tinha suspendido de funções dois agentes e instaurado um inquérito ao armazenamento de armas da direção nacional após terem sido extraviadas 50 armas de nove milímetros.

Questionada sobre possíveis alterações nos procedimentos, a ministra insistiu na necessidade da inspeção da PSP, dos inquéritos disciplinares e da investigação criminal estarem concluídas para ser tomada alguma decisão.

“Precisamos de esperar pelas conclusões para perceber exatamente quais os contornos desta situação. Quando houver conclusões logo se vai determinar quais os procedimentos a seguir”, disse.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pedro Passos Coelho

Antirracismo: uma patologia necrófila

Gabriel Mithá Ribeiro
114

Os heróis multiplicam-se porque, como é habitual entre cobardes, o fenómeno histórico do racismo deixou de existir nas sociedades maioritariamente brancas ocidentais. É apenas um cadáver em putrefação

Governo

Estado de calamidade

Manuel Villaverde Cabral
636

Continua tudo como dantes: o país está entregue ao clientelismo governamental, dependente do crescimento externo e condenado à dívida. Esta é que é a calamidade que explica as outras calamidades.