Logo Observador
Lisboa

Meia centena de empresários de diversão concentrados para pedir apoio ao setor

Meia centena de empresários da diversão itinerante estiveram esta terça-feira concentrados junto ao Ministério das Finanças, em Lisboa, para reivindicar medidas de apoio ao setor.

Os empresários exigem medidas de apoio à sustentabilidade do setor

Autor
  • Agência Lusa

Meia centena de empresários da diversão itinerante estiveram esta terça-feira concentrados junto ao Ministério das Finanças, em Lisboa, para reivindicar medidas de apoio ao setor, tendo recebido a informação de que vão ser recebidos pela tutela.

Segundo o presidente da Associação Portuguesa de Empresas de Diversão (APED), Luís Fernandes, os manifestantes tiveram a garantia de que vão ser recebidos pelas 16h00 pelo secretário de Estado dos assuntos fiscais, Rocha Andrade. “Há quatro anos que estamos à espera que a situação se resolva e hoje estamos aqui com bancos e sentados, sem fazer barulho. Vamos ver se é hoje que tudo fica resolvido”, disse Luís Fernandes à Lusa.

Os empresários da diversão itinerante (como carrosséis) realizaram em novembro de 2016 um conjunto de protestos que duraram três dias, além de outras iniciativas nos últimos anos. O objetivo é a aplicação da resolução 80/2013, aprovada por todos os partidos políticos no parlamento, publicada em Diário da República e que “recomenda ao Governo o estudo e a tomada de medidas específicas de apoio à sustentabilidade e valorização da atividade das empresas itinerantes de diversão”. Entre as medidas de apoio à atividade, pretendem voltar a ter alvarás de cultura que lhes permitam descer o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) de 23% para 13%.

Pelas 10h00, os empresários começaram a encaminhar-se para o Ministério da Administração Interna, onde vão permanecer antes de irem participar, no Capitólio, numa sessão pública sobre a nova feira popular de Lisboa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt