Logo Observador
UGT

Morreu o primeiro presidente da UGT, Miguel Pacheco

O antigo e primeiro presidente da União Geral dos Trabalhadores, Miguel Pacheco, morreu no hospital Garcia de Orta, vítima de doença prolongada.

Autor
  • Agência Lusa

O antigo e primeiro presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Miguel Pacheco, morreu na terça-feira no hospital Garcia de Orta, Almada, vítima de doença prolongada, disse esta quarta-feira à agência Lusa fonte daquela estrutura sindical.

A UGT manifestou já o seu “profundo pesar” pela morte de Miguel Pacheco, primeiro presidente da UGT e que exerceu o seu mandato de 1979 a 1984.

O funeral do antigo presidente da UGT realiza-se sábado, pelas 11h, no cemitério do Lumiar, e o corpo estará em câmara-ardente na Igreja de São João Baptista, no Lumiar, a partir de sexta-feira, pelas 10h30.

Miguel Pacheco, dirigente do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI), foi eleito no 1.º Congresso da UGT realizado no Porto, em 1979.

“Este congresso ocorreu num momento histórico para o movimento sindical logo após a cisão com a Intersindical e permitiu à UGT constituir-se formalmente, com a eleição dos seus órgãos sociais nacionais, numa clara afirmação de um projecto de sindicalismo novo, que visava reivindicar a melhoria qualitativa das condições de vida dos trabalhadores portugueses”, lembrou a UGT, em comunicado.

Segundo a UGT, Miguel Pacheco esteve também presente num momento histórico para o movimento sindical, a nível mundial, aquando da filiação da UGT na CISL (Confederação Internacional de Sindicatos Livres), a 17 de Novembro de 1979, quando por unanimidade, o comité executivo desta organização aprovou a entrada da UGT na maior confederação sindical mundial à data.

O Secretariado Executivo da UGT, em nome de toda a Central sindical, transmite à família enlutada e ao SBSI, seu sindicato de sempre, os mais sentidos pêsames, e saberá honrar, nos órgãos nacionais e no próximo Congresso de Março, no Porto, a sua memória e o seu legado ao movimento sindical plural e democrático que a UGT e os seus filiados representam, em Portugal e no Mundo”, conclui o comunicado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.