Logo Observador
UGT

Morreu o primeiro presidente da UGT, Miguel Pacheco

O antigo e primeiro presidente da União Geral dos Trabalhadores, Miguel Pacheco, morreu no hospital Garcia de Orta, vítima de doença prolongada.

Autor
  • Agência Lusa

O antigo e primeiro presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Miguel Pacheco, morreu na terça-feira no hospital Garcia de Orta, Almada, vítima de doença prolongada, disse esta quarta-feira à agência Lusa fonte daquela estrutura sindical.

A UGT manifestou já o seu “profundo pesar” pela morte de Miguel Pacheco, primeiro presidente da UGT e que exerceu o seu mandato de 1979 a 1984.

O funeral do antigo presidente da UGT realiza-se sábado, pelas 11h, no cemitério do Lumiar, e o corpo estará em câmara-ardente na Igreja de São João Baptista, no Lumiar, a partir de sexta-feira, pelas 10h30.

Miguel Pacheco, dirigente do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI), foi eleito no 1.º Congresso da UGT realizado no Porto, em 1979.

“Este congresso ocorreu num momento histórico para o movimento sindical logo após a cisão com a Intersindical e permitiu à UGT constituir-se formalmente, com a eleição dos seus órgãos sociais nacionais, numa clara afirmação de um projecto de sindicalismo novo, que visava reivindicar a melhoria qualitativa das condições de vida dos trabalhadores portugueses”, lembrou a UGT, em comunicado.

Segundo a UGT, Miguel Pacheco esteve também presente num momento histórico para o movimento sindical, a nível mundial, aquando da filiação da UGT na CISL (Confederação Internacional de Sindicatos Livres), a 17 de Novembro de 1979, quando por unanimidade, o comité executivo desta organização aprovou a entrada da UGT na maior confederação sindical mundial à data.

O Secretariado Executivo da UGT, em nome de toda a Central sindical, transmite à família enlutada e ao SBSI, seu sindicato de sempre, os mais sentidos pêsames, e saberá honrar, nos órgãos nacionais e no próximo Congresso de Março, no Porto, a sua memória e o seu legado ao movimento sindical plural e democrático que a UGT e os seus filiados representam, em Portugal e no Mundo”, conclui o comunicado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.