Logo Observador
Grécia

Grécia. Banco central pede acordo urgente com UE e FMI

O governador do Banco da Grécia, Yannis Stournaras, instou o país a concluir um acordo que permita avançar no programa de assistência financeira, porque há o risco de entrave ao crescimento.

O governador do Banco da Grécia, Yannis Stournaras, instou esta sexta-feira o país a concluir um acordo que permita avançar no programa de assistência financeira, porque há o risco de entrave ao crescimento. O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, considerou no Parlamento, que as conversações nesse sentido podem ser concluídas até 20 de março, após o regresso a Atenas, no início da próxima semana, de representantes das instituições credoras, União Europeia (UE) e Fundo Monetário Internacional (FMI).

A Grécia, a zona euro e o FMI concordaram no regresso da missão de avaliação a Atenas, após semanas de impasse nas negociações para a continuação do país sob assistência financeira. Ao apresentar o relatório anual do banco central, Stournaras considerou que o objetivo de um crescimento económico de 2,5% para 2017 é concretizável, quando o país cresceu 0,3% em 2016.

“Mas a conclusão da segunda avaliação do programa grego é urgente”, insistiu, apontando a necessidade de incluir rapidamente o país no programa de compra de dívida do Banco Central Europeu (BCE). O responsável apontou ainda os riscos ligados a um clima de “instabilidade” tendo em vista as eleições em vários países europeus e a eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos. Atenas aceitou na segunda-feira preparar medidas suplementares reclamadas pelo FMI para 2019, após o fim do programa. A Grécia e os representantes dos credores devem finalizar os detalhes relacionados com estas medidas na próxima semana.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terceira Idade

A peste grisalha

Paulo de Almeida Sande

A velhice na sociedade actual, que nos chama velhos aos 40 e nos condena a um longo ostracismo até que a vida natural em nós se apague, 50 ou 60 anos mais tarde, é um longo, lento e doloroso naufrágio