António Guterres

António Guterres chega à Somália para visita de emergência por causa da fome

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, aterrou esta terça-feira na Somália, numa visita de emergência ao país devido à fome.

Cerca de três milhões de somalis estarão em situação de emergência alimentar em junho de 2017

JASON SZENES/EPA

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, aterrou esta terça-feira na Somália, numa visita de emergência ao país devido à fome. “As pessoas estão a morrer. O mundo tem de acabar com isto agora”, escreveu esta terça-feira António Guterres no Twitter, ao anunciar a chegada àquela nação do Corno de África.

A Somália faz parte de um plano de ajuda avaliado em quatro mil milhões de dólares (3,77 milhões de euros) para as quatro nações afetadas por conflitos e pela fome. Os outros países são a Nigéria, Iémen e Sudão do Sul, onde foi declarada a fome. A Somália anunciou no fim-de-semana o seu primeiro balanço sobre o número de mortes, tendo declarado um desastre nacional na última semana, afirmando que 110 pessoas morreram em 48 horas numa única região.

O Escritório de Coordenação Humanitária da ONU (OCHA) disse na terça-feira que 196 pessoas morreram na Somália desde janeiro devido à seca no país, especialmente no sul, que obrigou as autoridades a declarar o estado de “desastre nacional”. A escassez de água provocou um aumento do preço da água, pelo que as comunidades foram obrigadas a recorrer a fontes perigosas que aumentaram o risco de contrair doenças como a cólera e diarreia.

Desde janeiro foram registadas 196 mortes em 11 regiões do país, enquanto mais de 7.900 pessoas foram afetadas pelo surto de cólera, segundo os últimos dados divulgados pela OCHA em comunicado. Cerca de três milhões de somalis estarão em situação de emergência alimentar em junho de 2017 e a um passo da fome devido à intensa seca registada nos últimos meses, segundo a ONU.

Na semana passada, o Presidente da Somália, Mohamed Abdullahi Farmaajo, declarou o estado de “desastre natural” no país e instou a comunidade internacional a responder “de forma urgente a esta calamidade”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Um homem, de facto, muito perigoso

Paulo Tunhas

Há uma explicação para o grotesco. Costa ocupa simultaneamente dois cargos. Primeiro, é sócio-gerente da empresa Geringonça. Depois, é primeiro-ministro de Portugal. A ordem aqui não é arbitrária.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site