Logo Observador
Presidente Trump

Republicanos apresentam projeto alternativo ao Obamacare

Os republicanos apresentaram o tão aguardado projeto que revogará o Obamacare. A ideia é trocar os atuais subsídios por créditos fiscais e acabar com as multas para quem não contrata um seguro.

Desde o início da sua campanha que Donald Trump prometeu acabar com o Obamacare caso chegasse à Casa Branca

Getty Images

O tão aguardado projeto que visa substituir o Obamacare nos Estados Unidos foi apresentado, esta segunda-feira, pelos republicanos. Em traços gerais, e confirmando aquelas que tinham sido as indicações já dadas, os republicanos sugerem que se acabe com os subsídios estatais em função dos rendimentos e se introduzam, ao invés disso, créditos fiscais, ou seja, deduções, em função da idade.

Este plano que vai substituir o Affordable Care Act, ou Obamacare, acaba ainda com as multas atualmente previstas para quem não contrata um seguro de saúde. Mas há, pelo menos, dois aspetos que os Republicanos pretendem manter: as seguradoras continuam a estar proibidas de negar um seguro de saúde a um cidadão por causa do seu historial clínico e os pais podem estender a cobertura do seu seguro aos filhos até aos 26 anos.

A apresentação deste projeto é um passo importante, mas será caso para dizer que ainda a “procissão vai no adro”, pois dentro do próprio partido Republicano há quem não esteja de acordo com a substituição do Obamacare por este novo modelo de saúde, por considerar que deixará milhões de norte-americanos de fora.

Lembre-se que Donald Trump — que considera o Obamacare “uma catástrofe” — prometeu, desde o início da sua campanha, reformar a saúde assim que chegasse à Casa Branca, baseando o modelo no “mercado livre”. Desde 2010, ano em que o Obamacare foi implementado, que o Partido Republicano tem tentado deitá-lo abaixo, com mais de 50 tentativas no Congresso.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mcarrico@observador.pt
Presidenciais em França

Macron, um Presidente sozinho

Alexandre Homem Cristo

O que há a festejar na (quase certa) eleição de Macron, na segunda volta, para além do facto de ele não ser Le Pen? Nada. Ele é um homem sozinho e sem força política para reformar uma França decadente

Polémica

PHDA e metilfenidato: mitos e realidade

SPDA

Sociedade Portuguesa de Défice de Atenção 
responde a vice-presidente da Ordem dos Psicólogos sobre hiperatividade, défice de atenção e consumo de metilfenidato em Portugal.

Presidenciais em França

Macron, um Presidente sozinho

Alexandre Homem Cristo

O que há a festejar na (quase certa) eleição de Macron, na segunda volta, para além do facto de ele não ser Le Pen? Nada. Ele é um homem sozinho e sem força política para reformar uma França decadente