Logo Observador
Direitos das Mulheres

As mulheres de 1917. Quando a guerra as levou para os “trabalhos de homem”

218

Quando a I Guerra levou todos os homens para a frentes de batalha, elas é que herdaram os postos de trabalho reservados eles. A luta que as mulheres travaram há 100 anos ia além das trincheiras.

Library of Congress

O ambiente político entre as potências europeias era tenso. A filosofia imperialista ganhava cada vez mais expressão na Alemanha, no Império Austro-Húngaro, em França e no Império Britânico, em Itália, no Império Otomano e no Russo. Em 1914, veio a gota de água: Francisco Fernando da Áustria, arquiduque do Império Austro-Húngaro e sucessor ao trono, foi assassinado por um nacionalista jugoslavo. A tensão libertou-se e o mundo entrou no maior conflito a que tinha assistido. Era a “Guerra das Guerras”.

Os movimentos sufragistas femininos tinham começado havia vinte anos na Nova Zelândia e já tinham navegado até à Europa. As mulheres procuravam agora mais igualdade de oportunidades: exigiam um salário mais próximo ao dos homens, um horário laboral mais justo, acesso aos cargos mais altos do governo e, claro, o direito ao voto. Encontraram terreno fértil à sua emancipação naqueles tempos negros da I Guerra Mundial: os homens estavam na frente de guerra, por isso elas herdaram os trabalhos que até então estavam reservados a eles. Trabalhavam nas fábricas de produção, na agricultura, no Exército e na Marinha.

A força que demonstraram trouxe frutos: em 1917 foi aprovado o Representation of the People Act: depois de várias manifestações que dominaram as ruas e dos esforços de guerra, as mulheres conquistaram o direito ao voto e à participação cívica. Outros países foram seguindo o exemplo britânico. Na fotogaleria vai encontrar algumas fotografias que mostram como trabalhavam as mulheres há cem anos, em 1917, quando os homens partiram para a guerra.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Maternidade

Mães que trabalham

Maria João Marques
1.591

Enquanto as mulheres forem financeiramente prejudicadas na sua carreira por terem filhos, é bom que a comunidade que beneficia da existência de crianças dê bonificações fiscais às mães com profissão.

Prostituição

Um trabalho para as filhas dos outros

Pedro Vaz Patto
1.163

Quando se fala na legalização da prostituição como se de um qualquer outro trabalho se tratasse (o “trabalho sexual”), ninguém certamente pensa nas suas filhas, pensa sempre nas filhas dos outros.