Logo Observador
Educação

Os professores que ensinam física com Star Wars e King Kong

142

Dois professores da Universidade Politécnica da Catalunha começaram a ensinar Física a alunos de computação a partir de um método, no mínimo invulgar: com a ajuda dos filmes Star Wars e King Kong.

Os resultados e a experiência tiveram tanto sucesso que resultaram na criação de uma disciplina opcional, chamada Ficção Científica Aplicada

Dois professores da Universidade Politécnica da Catalunha decidiram começar a ensinar Física a alunos de computação a partir de um método, no mínimo invulgar: com a ajuda dos filmes Star Wars, King Kong e Godzilla, conta o El Mundo. Tudo começou na década de 90, há cerca de vinte anos. Desde essa altura, e com o objetivo de facilitar a vida aos estudantes, Jordi José e Manuel Moreno explicam a matéria e fazem enunciados com o auxílio de referências presentes nos três filmes.

Muitos [alunos] não entendiam por que razão tinham de estudar esta matéria [Física], só pensavam em programação. Para os estimularmos, lembrámo-nos de recorrer à literatura cinematográfica e à ficção científica”, explicou Moreno.

A partir daí, os resultados e a experiência tiveram tanto sucesso que resultaram na criação de uma disciplina opcional, chamada Ficção Científica Aplicada. Os materiais didáticos para a sala de aula passaram a ser cassetes VHS e bandas desenhadas. Mais recentemente, José e Moreno criaram ainda um curso online, naquela universidade espanhola, intitulado Tecnociência e Ficção Científica: de King Kong a Einsten.

Jose Jordi, um dos professores e criadores da ideia

Mas este projeto não fica por aqui. A ideia não foi poupada a elogios por especialistas e outros professores, que quiseram de imediato adotar o conceito ou estratégias semelhantes. “A disciplina que criámos foi pioneira em Espanha e, posteriormente, diversos professores e investigadores seguiram o mesmo caminho”, admitem os professores. A experiência tem sido também abordada em livros e em vários meios de comunicação.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.

Escolas

Ninguém quer resolver o problema das matrículas

Alexandre Homem Cristo
277

Não faltam exemplos internacionais de soluções para as matrículas. Só que o nosso obstáculo de raiz não é a falta de alternativas; é mesmo a falta de vontade. Como se vê, isso não mudará tão depressa.