Logo Observador
Celebridades

Scarlett Johansson pede divórcio e custódia da filha

Scarlett Johansson deu entrada esta terça-feira do pedido de divórcio do francês Romain Dauriac e da guarda da filha de três anos. A atriz alega que o matrimónio está "irremediavelmente desfeito".

Scarlett Johansson casou-se com Romain Dauriac em 2014.

AFP/Getty Images

Depois da reconciliação de Jennifer Garner e Ben Affleck, chega mais um divórcio para juntar à lista das recentes ruturas. Segundo a revista Page Six, Scarlett Johansson vai mesmo separar-se do realizador Romain Dauriac. O pedido de divórcio e da guarda da filha Rose Dorothy Dauriac, de três anos, deu entrada esta terça-feira no tribunal de Manhattan, em Nova Iorque. Fonte da publicação afirma que a atriz de 32 anos alega que o matrimónio está “irremediavelmente desfeito”.

O advogado de Romain Dauriac afirmou ao mesmo jornal que o realizador vai lutar pela custódia da filha porque alegadamente Johansson viaja muito e não reúne condições de estabilidade vitais para a filha criar laços. “Ele gostaria de se mudar para França com a filha e Johansson viaja muito. Será um processo interessante”, disse. Já a advogada da atriz, Judith Poller, não se pronunciou sobre o processo de divórcio.

Como mãe dedicada e pessoa com privacidade e com total consciência de que um dia a minha filha poderá ler o que foi escrito sobre ela, gostaria apenas de dizer que nunca comentarei o fim do meu casamento”, disse a atriz ao Entertainment Tonight. “Com respeito pela minha vontade como mãe e com respeito pelas outras mães, é com gentileza que peço às outras partes envolvidas e aos media que façam o mesmo. Obrigada.”

Scarlett Johansson e Romain Dauriac casaram-se em 2014, numa cerimónia privada, e têm sido fotografados juntos desde então. De 2008 a 2011, a atriz foi casada com o ator Ryan Reynolds.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssilva@observador.pt
iPhone

Quem disse que apontar o dedo é feio?

Pedro Aniceto

Em 2007 Steve Jobs desdisse toda a gente e matou, com um só golpe, a indústria de canetas de plástico. E alguns egos, demonstrando que a indústria de paradigmas é um mercado instável que pode ferver.

Fogo de Pedrógão Grande

“Para inglês ver”

Paulo Tunhas

Quando toda a energia do Governo é em última análise canalizada para a manutenção do seu apoio, é fatal que o Estado se degrade e a pouco e pouco, se fragmente, se transforme em algo para inglês ver.