Trânsito

GNR deteve 23 pessoas em 12 horas, a maioria por conduzir com excesso de álcool

A Guarda Nacional Republicana deteve 23 pessoas, a maioria por condução sob o efeito do álcool e seis por tráfico de droga, entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, anunciou a GNR.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A Guarda Nacional Republicana deteve 23 pessoas, a maioria por condução sob o efeito do álcool e seis por tráfico de droga, entre as 20h00 de sábado e as 8h00 de hoje, anunciou a GNR.

As detenções resultaram de várias operações realizadas em todo o país, que visaram “a prevenção e combate à criminalidade violenta, fiscalização rodoviária, entre outras”, refere a GNR em comunicado.

Segundo os dados da GNR, 17 pessoas foram detidas por conduzir com excesso de álcool, seis por tráfico de droga e quatro por não terem habilitação legal para conduzir.

Durante as operações, os militares apreenderam também 129,26 doses de haxixe, 3,25 doses de heroína, 9,5 doses de cocaína, 1,5 gramas de ‘ecstasy’ e 5,1 gramas de anfetaminas.

Nas ações de fiscalização de trânsito, a GNR detetou 1.173 infrações, a maioria (105) por condução com Taxa de Álcool no Sangue superior ao permitido por lei.

As restantes infrações (23) deveram-se à falta de inspeção periódica obrigatória, ao excesso de velocidade (14), à ausência ou incorreta utilização do cinto de segurança e cadeirinha (9).

O uso indevido do telemóvel na condução (4), a falta de seguro de responsabilidade civil (6) e situações relacionadas com tacógrafos (2) foram outras infrações detetadas pelos militares.

Durante o período das 12 horas, a GNR registou oito acidentes, que provocaram sete feridos leves.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Modernices

Luis Carvalho Rodrigues

O problema não é a comida e sim que nos queiram obrigar a comê-la. Obrigar-nos da mesma maneira e com o mesmo argumento com que se obrigam as crianças: “é para teu bem”. 

Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site