Logo Observador
Offshores

Bruxelas convida Rocha Andrade a falar em inquérito aos Panama Papers

104

Requerimento do eurodeputado Nuno Melo para que governante fosse ouvido em inquérito foi aceite pelos coordenadores da comissão aos "Panama Papers" que decorre no Parlamento Europeu.

O Parlamento Europeu vai convidar o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, a ir a Bruxelas depor na comissão de inquérito aos Panama Papers, sobre as transferências que foram enviadas para offshores no Panamá a partir de Portugal no ano de 2014. O Expresso avança que os coordenadores do inquérito concordaram com a sugestão do eurodeputado do CDS, Nuno Melo, que já tinha sido noticiada pelo Público no início de março.

Nuno Melo entregou o requerimento para ouvir Rocha Andrade em Bruxelas, após o secretário de Estado ter dito no Parlamento que “de todas as transferências hoje conhecidas em relação ao Panamá no ano de 2014, 97,7%, está no oculto.” O eurodeputado do CDS considera que o governante deve esclarecer o Parlamento Europeu “sobre as datas concretas, beneficiários e operações relativas às transferências para o Panamá”, além de enviar “todos os documentos que tiver na sua posse sobre transferências”. O centrista quer ainda que Rocha Andrade diga “quais as entidades que procederam às mesmas operações” e “se essas operações foram legais, ou ilegais.”

O eurodeputado considera ainda relevante que Rocha Andrade explique porque as “informações bancárias enviadas para a Autoridade Tributária e Aduaneira portuguesa não passaram para o respetivo sistema central.”

Rocha Andrade não está obrigado a depor na comissão de inquérito do Parlamento Europeu, daí que este seja apenas um convite para depor perante os eurodeputados.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Sistema Financeiro

Vem aí o fim da Banca

Miguel Gouveia
495

A mudança do modelo de negócios da banca não será sustentável a médio e longo prazo devido ao aparecimento de novas empresas cuja concorrência será devastadora para os bancos.