Logo Observador
Caixa Geral de Depósitos

CGD. Ferro deseja bom trabalho a deputados da Comissão e diz que presidente terá “papel não invejável”

O presidente da Assembleia da República deu posse à segunda comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos (CGD), desejando bom trabalho aos deputados e sobretudo ao presidente.

A primeira reunião desta comissão de inquérito ficou marcada para a próxima terça-feira, 21 de março

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Assembleia da República deu esta terça-feira posse à segunda comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos (CGD), desejando bom trabalho aos deputados e sobretudo ao presidente, o social-democrata Aguiar-Branco, que terá “um papel não invejável”.

“[Quero] Desejar a todos os deputados os melhores trabalhos e as maiores felicidades e, sobretudo ao senhor presidente, que terá certamente um papel não invejável nesta comissão de inquérito, desejar-lhe também a melhor sorte”, afirmou Eduardo Ferro Rodrigues, num breve discurso na cerimónia de tomada de posse da comissão, que tem por objeto a atuação do atual Governo na nomeação e demissão da anterior administração do banco público.

Com sala cheia, marcaram presença não só os deputados efetivos e suplentes como os líderes parlamentares do PSD e CDS-PP, Luís Montenegro e Nuno Magalhães, que não integram a comissão.

Foi Luís Montenegro que indicou, formalmente, que o PSD designou o ex-ministro da Defesa José Pedro Aguiar-Branco para presidir a esta nova comissão.

Também numa breve intervenção, Aguiar-Branco defendeu que a constituição de uma comissão de inquérito é “um exercício que enobrece a função de deputado” e apelou a um “esforço de despartidarização”.

“Estas comissões aconselham e exigem um esforço grande de despartidarização, com isso dignificaremos a Assembleia da República”, disse, defendendo que o objetivo da comissão será “produzir prova dos factos” que integram o seu objeto e “acabar com o que diz que disse”.

A primeira reunião desta comissão de inquérito ficou marcada para a próxima terça-feira, 21 de março.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política Económica

A falta de razão de Dijsselbloem

Luís Aguiar-Conraria

Como mostra o livro Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa, a responsabilidade pelo endividamento externo é do Estado e das empresas; as famílias viveram dentro das suas possibilidades.