Caixa Geral de Depósitos

Ex-presidente. Caixa recebeu o suficiente em 2012, mas agora precisa de mais capital

O ex-presidente executivo da Caixa, Álvaro de Nascimento, defende que o aumento de capital realizado em 2012 foi o suficiente, mas reconhece que o banco precisa de mais capital agora.

MAFALDA LEITAO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O antigo presidente não executivo da Caixa Geral de Depósitos discorda da tese de que o aumento de capital realizado no banco em 2012 tenha sido insuficiente. “Neste momento, olhando para trás, tenho de dizer que discordo da tese de que a Caixa não foi suficientemente recapitalizada. No momento atual, acho que a Caixa precisa de mais capital”, afirmou Álvaro de Nascimento esta quarta-feira na comissão parlamentar de inquérito à gestão da CGD.

A posição do gestor, que foi “chairman” da Caixa entre 2013 e 2016, vai ao encontro da posição assumida por escrito pelo ex-ministro das Finanças, Vítor Gaspar, mas é contrária à tese defendida na semana passada por António Nogueira Leite, que foi vice-presidente da Caixa entre julho de 2011 e final de 2012.

Álvaro de Nascimento abordou a capitalização de 2012 – que foi, considera, “adequada” -, e ressalvou ser necessária a CGD ser agora novamente capitalizada “para evitar ser apanhada na curva e incumprir” os seus compromissos.

Atualmente, está em funcionamento uma comissão de inquérito, constituída ainda na anterior sessão legislativa, que se debruça sobre a gestão da CGD desde o ano 2000 e sobre os motivos que estão na origem da necessidade de recapitalização do banco público – é nesta comissão de inquérito que Nascimento é hoje escutado.

Atualmente, está em funcionamento uma outra comissão de inquérito onde se pretende esclarecer, no prazo de quatro meses, a atuação do atual Governo na nomeação e demissão da anterior administração do banco público, liderada por António Domingues.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

A moção e a censura de um país

José Pinto

A Constituição não limita o direito à censura por parte dos cidadãos. É a essa censura – e revolta indignada - que nenhum Governo pode fugir. Face à censura coletiva, a discussão da moção nada adianta

Incêndios

O fogo e o papel de Portugal

José Barbedo

Enquanto a ocorrência de fogos faz parte do ciclo natural das florestas, a escala dos incêndios que tem ocorrido ao longo das últimas duas décadas era totalmente desconhecida no passado.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site