PCP

PCP diz que não é admissível uma agência financeira determinar o estado da economia nacional

854

O secretário-geral do PCP considerou, esta sexta-feira, que não é admissível uma agência financeira determinar se a economia portuguesa está ou não no 'lixo'.

Jerónimo de Sousa comentava o facto da Standard & Poor's ter mantido o 'rating' atribuído a Portugal em 'BB+', ou 'lixo'

HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral do PCP considerou esta sexta-feira, na Madeira, que não é admissível uma agência financeira determinar se a economia portuguesa está ou não no ‘lixo’, salientado que essa é uma tarefa que cabe ao país.

“Como é que pode ser admissível que uma agência financeira, uma agência de notação, como dizem, possa determinar se a nossa economia está no ‘lixo’ ou não está no ‘lixo’?”, questionou Jerónimo de Sousa, no decurso do jantar comemorativo do 96.º aniversário do PCP, que decorreu na Ribeira Brava, zona oeste da ilha, e reuniu cerca de 600 militantes.

Jerónimo de Sousa comentava, deste modo, o facto de a agência de notação financeira Standard & Poor’s (S&P) ter mantido esta sexta-feira o ‘rating’ atribuído a Portugal em ‘BB+’, ou ‘lixo’, com perspetiva estável, mostrando-se preocupada com os riscos da banca e o elevado endividamento público e privado.

“Então, nós somos um país e um povo soberano, podemos admitir que uma agência financeira diga se estamos bem ou se estamos mal?”, indagou o secretário-geral do PCP, vincando que “quem tem de ver isso e quem tem de afirmar é o povo português”. “É o nosso país e não essa agência de notação”, vicou o líder comunista.

Jerónimo de Sousa recordou, por outro lado, a “alteração de forças” ocorrida nas últimas eleições legislativas, que conduziu o PS ao Governo da República, com apoio parlamentar do PCP e do BE. “É preciso continuar esta política de reposição, conquista de direitos e rendimentos”, disse, salientando, porém, que “os avanços verificados correm o risco de conhecerem retrocessos”, designadamente em relação aos direitos dos trabalhadores. Por isso, Jerónimo de Sousa afirmou que, se o PS de António Costa, não corresponder com “medidas e ações concretas” poderá perder o apoio do PCP.

“Nós queremos lembrar e repetir que o primeiro e o principal compromisso deste Partido Comunista Português é com os trabalhadores e com o povo e não com o Governo ou outra qualquer instituição”, vincou. O secretário-geral do PCP anunciou, por outro lado, que o partido vai concorrer coligado com Os Verdes (CDU) em todos os municípios e freguesias “sem exceção” nas próximas eleições autárquicas previstas para outubro deste ano.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site