Logo Observador
Terrorismo

Atentado bombista em Bagdad provoca pelo menos 23 mortos e 43 feridos

Um ataque suicida com carro armadilhado numa zona comercial do subúrbio de Amil, sudoeste de Bagdad, provocou esta segunda-feira pelo menos 23 mortos e 43 feridos.

Uma série de ataques bombistas atingiram a capital iraquiana desde o início da operação militar para retomar Mossul

GHULAMULLAH HABIBI/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Um ataque suicida com carro armadilhado numa zona comercial do subúrbio de Amil, sudoeste de Bagdad, provocou esta segunda-feira pelo menos 23 mortos e 43 feridos, referiram fontes oficiais e hospitalares.

O atentado ainda não foi reivindicado, mas o grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI) tem sido responsável por diversos atentados bombistas ocorridos na capital do Iraque. As fontes contactadas pela agência noticiosa Associated Press (AP) exprimiram-se sob anonimato, porque não estão autorizadas a fornecer informações.

As forças iraquianas estão envolvidas desde outubro numa ofensiva contra o grupo islamita radical em Mossul, a segunda cidade do país. Em janeiro, o governo de Bagdad declarou a zona leste de Mossul “totalmente libertada” e permanece envolvida em combates no oeste da cidade, mais densamente povoada.

As tropas iraquianas, apoiadas por forças especiais norte-americanas, estão perto da cidade velha de Mossul, onde se espera que ocorram os combates mais violentos. A Polícia federal militarizada disse que se encontrava, a cerca de 500 metros da mesquita al-Nuri, onde o líder do EI, Abu Bakr al-Baghdadi, protagonizou uma rara aparição pública em julho de 2014 para anunciar um autoproclamado califado no Iraque e na Síria.

O grupo rebelde sunita tem registado uma série de derrotas no terreno desde meados de 2015, mas continua a desencadear ataques regulares em Bagdad e arredores. Uma série de ataques bombistas atingiram a capital iraquiana desde o início da operação militar para retomar Mossul, num regresso do grupo às suas “raízes insurgentes” à medida que vai perdendo território.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Londres

O 22 de Março

Gonçalo Dorotea Cevada
112

Ontem estava em Londres e o pânico que senti não foi diferente do medo que tive a 22 de Março de 2016 quando estava em Bruxelas. Tenho medo de morrer mas não posso nem quero deixar de viver.

Terrorismo

Londres e a irrealidade

Paulo Tunhas
601

O que se sabe de certeza certa é que o canibalismo islamista voltou a atacar. Como sabemos o que vem a seguir: a exibição ritual de piedade genérica e avisos contra a ameaça da “deriva islamofóbica".