Logo Observador
Ministério do Mar

Caxinas sem pescadores por falta-de-mão de obra nacional

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, disse esta segunda-feira, no Porto, estar a acompanhar a problemática da falta de pescadores em Caxinas, em Vila do Conde.

Ana Paula Vitorino explicou que é uma "discussão sensível"

ESTELA SILVA/LUSA

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, disse esta segunda-feira, no Porto, estar a acompanhar a problemática da falta de pescadores nas Caxinas, em Vila do Conde, que está relacionada com a falta de mão-de-obra nacional.

“É um problema relacionado com a falta de mão-de-obra nacional. Nós temos pescadores, temos pescadores formados, temos cursos de formação disponíveis para quem quiser obter formação nesta área, mas não há interessados”, afirmou à margem do evento “Viver o Douro com mais Segurança”.

A governante referiu que as associações do setor, com quem já reuniu e está em contacto, pretendem contratar trabalhadores estrangeiros que aceitem trabalhar com as condições que elas oferecem.

“Tem de existir ponderação, foi isso que foi dito, entre o que é abrir a possibilidade de virem trabalhadores estrangeiros para colmatar as necessidades dos armadores, mas simultaneamente haver alguma proteção em relação aos nossos trabalhadores porque em tempo de crise não haverá tanta abundância de trabalho como existe agora na pesca”, frisou.

Ana Paula Vitorino explicou que é uma “discussão sensível” porque há vontade em “abrir a porta”, mas não de tal maneira que ponha em causa questões de segurança, de formação, de nível e de qualidade dos pescadores nacionais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pedro Passos Coelho

Antirracismo: uma patologia necrófila

Gabriel Mithá Ribeiro

Os heróis multiplicam-se porque, como é habitual entre cobardes, o fenómeno histórico do racismo deixou de existir nas sociedades maioritariamente brancas ocidentais. É apenas um cadáver em putrefação

Governo

Estado de calamidade

Manuel Villaverde Cabral
467

Continua tudo como dantes: o país está entregue ao clientelismo governamental, dependente do crescimento externo e condenado à dívida. Esta é que é a calamidade que explica as outras calamidades.

Minorias

Todos contra todos

Alexandre Homem Cristo

Não perceber que a fragmentação social está a ser alimentada pela direita e pela esquerda, através de políticas de identidade, é não entender o problema. E, claro, para ele não poder encontrar solução