Logo Observador
Poesia

Feiras do livro, concertos e leituras: saiba como celebrar o Dia da Poesia

372

Este 21 de março, celebra-se o Dia Mundial da Poesia (e também da árvore). Veja aqui algumas sugestões de atividades para não deixar passar o dia em branco.

O Dia da Poesia coincide com o Dia Internacional da Árvore e da Floresta

© Hugo Amaral/Observador

Esta terça-feira, celebra-se o Dia Mundial da Poesia. E porque a data não podia passar em branco o Anfiteatro do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra e o Teatro-Estúdio Bonifrates — Casa Municipal da Cultura de Coimbra vão receber o espetáculo “Somos Os Poetas Que Dizemos”, uma apresentação dos Jograis da Bonifrates de poemas de autores portugueses e estrangeiros, e composições da tradição oral portuguesa. “Porque os poemas que dizemos são o nosso ADN”, garante o grupo. As apresentações estão marcadas para as 17h e 21h30, respetivamente.

O Fórum Luísa Todi, em Setúbal, vai receber uma “Homenagem a João Villaret”. O espetáculo, levado à cena pela Comuna — Teatro de Pesquisa, tem assinatura de Carlos Paulo, responsável pela recolha, seleção e dramaturgia dos textos, e participação de Carlos Paulo, Ana Lúcia Palminha e Hugo Franco. Os bilhetes custam entre 7 e 9 euros. O espetáculo começa às 21h30.

Em Lisboa, decorre até terça-feira, em Campo de Ourique, a Feira do Livro de Poesia. Além da venda de livros a preço de feira, a iniciativa inclui um programa de atividades com leituras de poesia, oficinas para crianças, visitas guiadas, passeios pelo bairro e concertos (o programa completo pode ser consultado aqui). Na terça-feira, às 17h30, haverá ainda uma sessão de autógrafos do autor angolano Ondjaki (que participa esta semana no Festival Literário da Madeira). A Feira do Livro do Poesia está de portas abertas desde 12h, no Jardim da Parada, até às 20h.

No Centro Cultural de Belém, também em Lisboa, o dia será em cheio com um programa dedicado a Mário Cesariny. Além de leituras de poemas, conversas e debates, a iniciativa terá ainda vários concertos, uma exposição — Mário Cesariny — De Cor e Salteado, com algumas das peças que estão na Fundação Cupertino de Miranda, em Vila Nova de Famalicão, detentora de um importante e representativo acervo de arte do surrealismo português –, e uma feira do livro de poesia. Às 17h, será exibido o documentário biográfico Autografia, de Miguel Gonçalves Mendes. O programa completo pode ser consultado aqui.

No Centro Cultural de Belém, o dia vai ser inteiramente dedicado a Mário Cesariny (Centro Cultural de Belém — Facebook)

Ainda em Lisboa, no âmbito da Capital Ibero-americana da Cultura, a Casa da América Latina vai organizar, a partir de terça-feira, a Semana da Poesia Ibero-americana. A iniciativa, que decorre até 25 de março na Casa da América Latina, na Avenida da Índia, e no Centro Cultural de Belém, contará com a presença de alguns dos grandes nomes da poesia latino-americana, espanhola e portuguesa, como o uruguaio Rafael Courtoisie, o espanhol Olvido Garcia-Valdés, o colombiano Ramón Cote ou Nuno Júdice. Para 21 de março, o programa é o seguinte:

  • 18h00 — Abertura (Auditório da Casa da América Latina);
  • 18h15 — Leituras de Rafael Courtoisie (Uruguai), Ozias Filho (Brasil), Jorge Reis Sá (Portugal) e Nuno Júdice (Portugal), com moderação de Nicolau Santos;
  • 19h30 — Encerramento.

O programa completo da Semana da Poesia Ibero-americana está disponível aqui.

No âmbito da Capital Ibero-americana da Cultura, vai também haver “Poesia na Esquina do Bairro”. A partir das 19h, a Estufa Fria vai receber os atores João Grosso, José Neves, Manuel Coelho e o músico compositor José Salgueiro, que irão viajar pela poesia ibero-americana “à descoberta das palavras que já foram inventadas”, como refere o programa. A entrada é livre.

No Dia da Poesia, o Teatro da Trindade irá evocar Zeca Afonso, um “cantor, músico, compositor, poeta cujos temas e palavras ajudaram a abrir e a rasgar novos horizontes e mentalidades”. O concerto — marcado para as 21h — irá contar com a presença de vários artistas portugueses, que incluem alguns companheiros de Zeca, dos anos 60 e 70, e também músicos mais novos. A direção é de Carlos Alberto Moniz e a produção de Miguel Ferraz. Os bilhetes custam entre 5 e 20 euros.

À mesma hora, o Centro de Documentação Luiza Neto Jorge/Bartô, em Lisboa, vai abrir as portas para receber as TISANAS, de Ana Hatherly, conjunto de poemas ao qual dará voz André Gomes. A música é de Joana Gama e Luís Fernandes. A entrada é gratuita.

Se prefere ouvir poesia pela voz dos próprios poetas, o Núcleo AJA Lisboa — Associação José Afonso, na Rua de São Bento, em Lisboa, vai passar discos de vinil com gravações de poemas ditos por José Gomes Ferreira, Ary dos Santos e Daniel Filipe. Haverá ainda poemas de Vinicius de Morais e de Fernando Pessoa, gravados por Mário Viegas e João Villaret, respetivamente. Os poetas terão a palavra a partir das 19h.

O Teatro da Trindade, no Chiado, vai receber um espetáculo dedicado a Zeca Afonso (HUGO AMARAL/OBSERVADOR)

As Fnac do Chiado e Almada vão receber uma apresentação de Poetry Slam, um conceito de poesia performativa que envolve improviso e participação do público. A iniciativa começa às 19h nas duas Fnacs.

E porque no Dia da Poesia também se celebra o Dia da Árvore, o Museu Nacional de História Natural e da Ciência organizou um programa de atividades gratuitas que têm como mote a importância da preservação das florestas. Além de visitas guiadas ao Jardim Botânico Tropical de Belém (mediante inscrição através do email geral@museus.ulisboa.pt), da parte da manhã e à tarde, haverá ainda duas iniciativas no interior do próprio museu, no Príncipe Real, e a apresentação de um livro. O programa (que não conseguiu escapar à poesia) é o seguinte:

  • 10h — “Histórias da Floresta” do objeto do mês para a Sala da Baleia, do Museu Nacional de História Natural e da Ciência, no Príncipe Real;
  • 10h — Visita orientada: passado e presente do Jardim Botânico Tropical de Belém;
  • 15h — “Animais da Floresta” na exposição Reis da Europa Selvagem, no Museu Nacional de História Natural;
  • 15h — Visita orientada: plantas na poesia, no Jardim Botânico Tropical de Belém;
  • 17h30 — Lançamento do guia Plantas do Jardim Botânico Tropical, pelo Professor Fernando Catarino.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt