Logo Observador
Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo. Perseguição aos judeus “foi um erro histórico”

3.103

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta segunda-feira que a perseguição aos judeus "foi um erro histórico" e com o qual Portugal perdeu.

O chefe de Estado falava aos jornalistas no final de uma visita a uma exposição sobre a presença judaica em Portugal

JOÃO RELVAS/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta segunda-feira que a perseguição aos judeus “foi um erro histórico que foi praticado”, e com o qual Portugal perdeu em termos culturais, científicos, económicos e financeiros.

O chefe de Estado falava aos jornalistas no final de uma visita a uma exposição sobre a presença judaica em Portugal, na Torre do Tombo, em Lisboa. “Há muitos portugueses que não têm a noção de que antes de haver Portugal já havia comunidades judaicas fortes no território que viria a ser o do nosso país. E não têm a noção da importância dessas comunidades, e daquilo que foi, de facto, hoje sabemos, um erro histórico, que foi a Inquisição e foi a perseguição às comunidades judaicas”, declarou.

Marcelo Rebelo de Sousa referiu que os judeus que saíram de Portugal foram “para todo o mundo, mas desde logo para a Europa, da Europa para os novos continentes, nomeadamente América do Norte e América do Sul”.”E perdeu-se. Perdeu-se em cultura, perdeu-se em ciência, perdeu-se em economia, perdeu-se em finanças, perdeu-se em saber. Foi um erro histórico que foi praticado. E esta exposição permite perceber por que é que um erro”, reforçou. “Nós perdemos aquilo que outras sociedades europeias ganharam”, lamentou.

Segundo o Presidente da República, esta exposição “permite compreender” o impacto dessa perda da presença judaica em Portugal, que em parte continuou, de forma “escondida, dissimulada, por detrás da aparente conversão ao cristianismo”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
25 de Abril

Os restos do salazarismo que vivem entre nós

João Marques de Almeida

Quando nos aproximamos de mais um 25 de Abril há heranças preocupantes do Estado Novo que vivem entre nós. Mas ao contrário do discurso do regime, são as esquerdas que mais beneficiam dessas heranças.

Filosofia Política

Liberalismo, sempre!

Telmo Azevedo Fernandes
253

É necessário restaurar o espírito do Liberalismo Clássico, assumir e divulgar a superioridade moral da defesa das liberdades individuais por contraponto a qualquer das outras alternativas ideológicas.