Escócia

Deputados escoceses votam moção para referendo sobre independência

O parlamento escocês deverá aprovar uma moção em que vai solicitar ao Governo de Londres a realização de um referendo sobre a independência.

Nicola Sturgeon anunciou em 13 de março a intenção de organizar um novo referendo sobre independência no final de 2018 ou início de 2019

ROBERT PERRY/EPA

O parlamento escocês deverá aprovar esta quarta-feira uma moção em que vai solicitar ao Governo de Londres a realização de um referendo sobre a independência, uma iniciativa que o executivo britânico rejeita e quando se prepara para desencadear o Brexit. Os deputados escoceses deverão aprovar sem problemas o texto no decurso da votação desta quarta-feira, com o Partido nacional escocês (SNP) da primeira-ministra Nicola Sturgeon a garantir uma maioria com o apoio dos ecologistas.

Na terça-feira, no início da discussão da moção no hemiciclo de Edimburgo, Sturgeon disse que seria “injusto e inaceitável” que o Governo britânico rejeitasse o seu pedido de organização de um novo referendo sobre a independência. Denunciou ainda o facto de a Escócia ser forçada a “sair da União Europeia contra a sua vontade” e reivindicou um “mandato democrático incontestável” para organizar esta consulta.

Nicola Sturgeon anunciou em 13 de março a intenção de organizar um novo referendo sobre independência no final de 2018 ou início de 2019, argumentando que a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) e sobretudo do mercado único se arriscam a provocar a eliminação “de dezenas de milhares de empregos” na Escócia.

Em setembro de 2014, no decurso de uma primeira consulta, 55% dos escoceses pronunciaram-se contra a independência. Mas a líder do SNP sublinha que a situação se alterou desde essa data, e que 62% dos escoceses se pronunciaram pela permanência na UE no referendo de 23 de junho de 2017, enquanto 52% dos britânicos votaram contra.

A primeira-ministra escocesa lamentou ainda que todos os “esforços de compromisso” tenham sido rejeitados, em particular o seu pedido de transferir mais poderes para o parlamento regional de Edimburgo e de permanecer no mercado único. No entanto, a primeira-ministra conservadora Theresa May respondeu na semana passada ao considerar “não ser o bom momento” para organizar esta consulta, e quando o Reino Unido vai iniciar difíceis negociações sobre a sua saída da UE que devem prolongar-se por dois anos.

Na segunda-feira Londres anunciou que vai desencadear o processo do Brexit na próxima quarta-feira, 29 de março.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site