História

Os dois casamentos fictícios de Jane Austen

Jane Austen, escritora britânica do século XIX conhecida pela sua visão anacrónica sobre a sociedade da época, nunca foi casada. Os seus dois supostos casamentos afinal nunca existiram.

A comemoração da sua morte será celebrada em toda a Inglaterra este ano

Jane Austen, a escritora britânica mundialmente conhecida pela sua visão anacrónica sobre a sociedade da época, nunca foi casada. Na verdade, criou mesmo dois documentos de casamento falsos, com dois homens diferentes, conta a France 24. A autora é conhecida pelos seus seis romances que se tornaram clássicos da literatura inglesa.

Ainda que nos seus romances tenha abordado a temática dos costumes patriarcais da época e da estabilidade do estatuto social através de casamentos vantajosos, a verdade é que os registos mostram que Jane nunca alinhou nos costumes da época.

Segundos os documentos e registos da altura, existiram duas falsas entradas de casamentos, escritas pela própria Jane Austen. Estas entradas anunciavam a união de Jane com dois homens imaginários. Segundo afirmaram os responsáveis pelos arquivos de Hampshire, onde estarão guardados os dois registos falsos, os documentos serão exibidos ao público aquando do bicentenário da morte da escritora.

Os documentos foram encontrados no registo de casamento da paróquia de Steventon, Hampshire, no sudoeste de Inglaterra, onde a escritora cresceu. Austen terá sido (ficticiamente) casada com Henry Fitzwilliam, de Londres, e com Edmund Mortimer, de Liverpool. Segundo escreve a France 24, a escritora, na época adolescente, conseguiu falsificar os documentos porque o seu pai seria reitor da paróquia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

A verdade a que temos direito

Gabriel Mithá Ribeiro
227

Os manuais de História recomendados no nosso sistema público de ensino condenam, bem!, o nazismo alemão (1933-1945), mas conseguem encontrar formas para legitimar (mal!) o maoísmo chinês (1949-1976).

Assembleia Da República

Arquitectos por decreto

Cláudia da Costa Santos

Se atualmente a “execução de projectos de Arquitectura” é o único acto reservado dos arquitectos, até onde se pretende levar esta cruzada? O objetivo é extinguir de vez a profissão de arquitecto?

Rui Rio

As prioridades do “novo PSD”

Helena Garrido

Descentralização, fundos comunitários, segurança social e justiça são as prioridades de Rio carentes de consensos. De todas elas a mais urgente é a segurança social. A menos compreensível é a justiça.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site