Logo Observador
Judo

Judoca Joana Ramos conquista medalha de bronze no Grande Prémio de Tbilisi

2.356

A judoca portuguesa Joana Ramos conquistou esta sexta-feira a medalha de bronze na categoria de -52 kg, no Grande Prémio de Tbilisi, ao vencer no combate final a húngara Reka Pupp, por 'ippon'.

Joana Ramos iniciou a competição na capital da Geórgia

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A judoca portuguesa Joana Ramos conquistou esta sexta-feira a medalha de bronze na categoria de -52 kg, no Grande Prémio de Tbilisi, ao vencer no combate final a húngara Reka Pupp, por ‘ippon’. A judoca do Sporting chegou ao triunfo, depois de já ter pontuado para ‘waza-ari’, ao imobilizar a sua adversária.

Joana Ramos iniciou a competição na capital da Geórgia com um triunfo diante da também húngara Bernadett Keliger, por ‘waza-ari’, mas na decisão do grupo perdeu com a belga Charline Van Snick, por ‘ippon’. Relegada para a fase de repescagem, a judoca portuguesa venceu a britânica Chelsie Giles e, depois, Pupp, já no combate decisivo para o bronze.

Esta sexta-feira em competição estiveram também Maria Siderot (-48 kg) e Sergiu Oleinic (-66 kg), que terminaram em quinto lugar em cada uma das respetivas, perdendo nos combates de atribuição da medalha de bronze. Siderot perdeu com a francesa Melanie Clement e o olímpico Oleinic com o russo Yakub Shamilov, a primeira por ‘ippon’ e o segundo por ‘waza-ari’.

Joana Diogo, também nos -48 kg, venceu um combate e perdeu dois e terminou em sétimo lugar, enquanto David Reis, nos -66 kg, fez apenas um combate, do qual saiu derrotado. Luís Carmo e Jorge Fernandes (-73 kg) e João Martinho (-81 kg) vão competir no sábado, enquanto Yahima Ramirez (-78 kg) entra em prova no domingo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Um homem, um gesto

Laurinda Alves

Fernando Álvarez fez sozinho o minuto de silêncio e humanamente ganhou em toda a linha. Harry Athwal, que permaneceu ajoelhado ao lado do rapazinho, deu um testemunho admirável de coragem e humanidade