Panama Papers

Eurodeputados discutiram audição a Sócrates, Portas, Carlos Alexandre… e a muitos outros

102

Comissão de coordenadores dos Panama Papers discutiu esta tarde os nomes a ouvir na missão que eurodeputados fazem a Portugal em junho, mas decidiu adiar uma decisão final para a próxima reunião.

LUSA

A Comissão de Inquérito do Parlamento Europeu aos Panama Papers já tem uma lista de nomes a ouvir na “fact finding mission” (missão de recolha de factos) que irá fazer a Portugal a 22 e 23 de junho. José Sócrates, Paulo Portas e até o juiz Carlos Alexandre fazem parte da extensa lista que os coordenadores da comissão discutiram esta tarde em Estrasburgo, mas cuja decisão final decidiram adiar para a próxima reunião da comissão. O coordenador do Partido Popular Europeu, ao qual pertencem PSD e CDS, pediu uma semana para se informar sobre os nomes.

Caso seja aprovada a proposta — à qual o Observador teve acesso — as autoridades europeias podem ouvir atuais governantes, como Mário Centeno e Rocha Andrade; ex-governantes, como Maria Luís Albuquerque ou Armando Vara; e ainda altas figuras do Estado como a Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, ou o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. Os antigos gestores Zeinal Bava e Henrique Granadeiro também estão na lista.

Há uma diferença importante face às comissões de inquérito nacionais: tratam-se apenas de convites, já que o Parlamento Europeu não tem força legal para obrigar estas figuras a deporem nas diligências que vão ocorrer em Portugal. O documento do “Pana Committee” que está a ser discutido, está tão detalhado que até já inclui datas.

Não há nenhum português entre os coordenadores da comissão de inquérito dos Panama Papers, mas, como vice-presidente da comissão, Ana Gomes tem assento na reunião de coordenadores. E a perspetiva que tem é que os nomes sejam mesmo aprovados. À saída da reunião, Ana Gomes explicava que “foi discutido e todos os grupos concordaram com aquela lista. Houve apenas um grupo, o PPE, que pediu uma semana para verificar com os partidos portugueses do PPE, o PSD e o CDS, se a lista é boa para o PPE.” Ana Gomes diz que “a decisão é por consenso e é bom que o PPE aprove os nomes que também propôs.” E acrescenta: “Como deve imaginar não fui eu que chamei Sócrates e Vara, deve ter sido o deputado Nuno Melo.”

A eurodeputada Ana Gomes, admitiu ao Observador que fez “algumas das propostas”, mas não foi a única. “Acredito que o deputado Nuno Melo também fez algumas propostas”, afirma. Ana Gomes explica ter proposto que “os dois últimos ministros das Finanças fossem ouvidos” e sugeriu igualmente ouvir a Autoridade Tributária e presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos, Paulo Ralha. Olhando para a lista final, Ana Gomes não se opõe a nenhum nome que consta do draft: “Parecem-me todos relevantes e plausíveis.

A proposta é que, no próximo dia 22 de junho, sejam ouvidos o ministro das Finanças Mário Centeno e o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade. Pela tarde, num programa ambicioso, a proposta é que sejam ouvidos os antigo secretários de Estado dos Assuntos Fiscais Paulo Núncio e Sérgio Vasques, a ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque, e o ex-vice-primeiro-ministro Paulo Portas. No mesmo dia, os eurodeputados ainda poderiam falar com o ex-ministro Armado Vara.

No dia 23 de junho de manhã, a proposta é que sejam ouvidos os jornalistas Pedro Crisóstomo (PÚBLICO) e Micael Pereira (Expresso) — que escreveram sobre offshores e sobre os Panama Papers — e, logo depois o Governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. Ainda antes do final da manhã (entre as 11h30 e as 12h30, embora as horas sejam indicativas) a ideia seria ouvir a Procuradora-Geral da República Joana Marques Vidal e o juiz Carlos Alexandre.

No mesmo dia, de acordo com a proposta que está em cima da mesa poderão ser ouvidos a diretora-geral de Impostos, Helena Borges, a diretora da Unidade de Informação Financeira da Polícia Judiciária, Mariana Raimundo, bem como dois membros da Transparência e Integridade — Associação Cívica, João Paulo Batalha e Luís de Sousa, Paulo Ralha e ainda o antigo CEO da Portugal Telecom, Zeinal Bava, e o antigo chairman da PT, Henrique Granadeiro.

O programa é muito extenso, pelo que é natural que os eurodeputados reduzam o número de audições. Mesmo que todas sejam aprovadas na próxima reunião (o que é expectável), é preciso depois que todos os “convidados” se disponibilizem a depor. Não há qualquer obrigação legal de o fazerem.

Excerto do draft, ao qual o Observador teve acesso

(Notícia atualizada às 21h16 com as declarações da eurodeputada e vice-presidente da comissão de inquérito aos Panama Papers, Ana Gomes)

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
União Europeia

É tempo de um Ano Europeu do Silêncio

Timothy Garton Ash

As palavras ultrapassam sempre os atos na política, mas mais na UE do que em qualquer outro lado. Portanto, aqui vai uma proposta modesta: os nossos líderes devem declarar um Ano Europeu do Silêncio.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site